Tivemos 97.798 leitores em 2016 e 99.854 em 11 meses de 2017 e mais de 327 mil desde julho/2010 (3,6mil por mês, durante mais de sete anos)

30.4.12

Ligação de Tomar ao mar: uma realidade de vontade socialista

Menos 33 minutos de percurso entre Tomar e a Nazaré, numa distância de 80 Km, dos quais cerca de 70 Km em via rápida, com velocidade média de 90 Km/h.
Menos 46% de acidentes previstos.

Ligação facilitada entre as cidades de Tomar, Ourém, Fátima, Leiria, Alcobaça e com as vilas de Batalha, Porto de Mós e Nazaré.

Troço entre a Nazaré e a Estrada Nacional 1, de 18 Km já aberto e em funcionamento. Aguarda-se a abertura dos cerca de 45 Km entre S.Jorge (Porto de Mós) e Vale dos Ovos (Estação de Fátima - Tomar).

Ligação de Tomar ao mar finalmente em conclusão, mercê do esforço, rasgo e visão de um Governo que colocou os interesses coletivos acima dos interesses!  Investimento público: bom investimento público.

Recordemos algo do que foi dito há três anos (26/2/2009), na apresentação pública havida no Castelo de Leiria:

É um orgulho para todos os que na região de Leiria/Tomar, nunca deixaram de apoiar e incentivar este esforço que o PS soube fazer em prol do desenvolvimento.
Prometemos e cumprimos!

29.4.12

Post mais visto da semana 17: cedência à borla do salão dos Bombeiros de Tomar

Como seria de esperar, na contagem entre o dia 22 de Abril e 28 de Abril de 2012, o post mais visto por aqui foi o da tentativa de obter uma cedência "à borla" do salão dos bombeiros de Tomar, para uma festa de aniversário privada, por parte de uma organização ligada à Igreja católica.

Este foi o post:
http://vamosporaqui.blogspot.com/2012/04/cedencia-do-salao-dos-bombeiros-borla.html

27.4.12

Cedência do salão dos bombeiros à borla para festa de anos...

Ontem, dia 26/4/2012, esteve presente na reunião de câmara uma proposta de cedência gratuita do salão dos bombeiros, para a realização de uma festa de aniversário de um ministro de uma das religiões legalizadas em Portugal, da religião católica por sinal.

A comissão inter-catequética de Tomar era a entidade que tal requeria e apresentava um pedido exatamente para esse fim: realização de uma festa de aniversário, num espaço municipal, que tem uma tabela de preços aprovada e em vigor, "com isenção do pagamento". Para uma festa de Aniversário!

Sim leram bem: para uma festa de aniversário! Não para a realização de uma ação de angariação de fundos ou de recolha de alimentos ou vestuário para apoio aos mais cadenciados ou para outra qualquer atividade de impato social e de solidariedade relevante. Não! Para uma festa de aniversário, com isenção do pagamento! Isso mesmo!

Ficámos estupefatos, com o simples abuso de considerar que a câmara poderia isentar o pagamento de aluguer de uma infra-estrutura municipal para a realização de uma festa de aniversário.

O mais anedótico seria esta instituição não pagar para fazer a festa de anos de um seu ministro de culto e um Bombeiro ter de pagar 10% do valor tabelado de aluguer se aí quiser fazer a sua festa de anos. Ou seja: esta instituição queria ter um privilégio de uso gratuito do salão dos bombeiros, quando nem os bombeiros o têm! Um verdadeiro abuso!

E o valor, sabem quanto era o valor em discussão e que esta instituição vai ter de pagar se quiser usar o salão dos bombeiros? 40€! Exatamente 50% do valor do aluguer para o número de horas que pretende usar o salão dos bombeiros e os respetivos anexos, vulgo cozinha. Mas pretendia que tal fosse cedido gratuitamente, como se ao Estado, aqui representado pela autarquia de Tomar, proprietária do edifício, competisse pagar, mesmo que indiretamente, a festa de aniversário de um ministro de qualquer religião, quando é por demais sabido do principio constitucional da separação da Igreja do Estado e do natural uso com parcimónia e justiça dos bens públicos.

Felizmente que houve o bom senso do assunto ter sido retirado da reunião e esta instituição, a exemplo de outras que têm alugado o espaço para efeitos de realização de almoços, pague o correspondente e tabelado preço. De recordar que a divisão de proteção civil e bombeiros, à responsabilidade de quem o Quartel dos Bombeiros se encontra, apenas consegue angariar cerca de 20% do milhão de euros de despesa que tem anualmente. Mas para estes senhores, parecia lógico que se cedesse gratuitamente para uma festa de aniversário! Ora...

26.4.12

25 de Abril, um dia depois, a andar para trás

No rescaldo das comemorações dos 38 anos do 25 de Abril, com o ênfase naturalmente a ser colocado no reativar dos valores qu estiveram em causa nesse já remoto dia de 1974. Portugal nunca foi um pais rico. Desprovido de grandes recursos minerais e/ou terrenos agrícolas com elevada produtividade, Portugal sempre teve que inventar outros recursos que permitissem ultrapassar a pobreza da terra. Daí o eterno sair, primeiro para o Norte de África sarraceno, depois para África, Índia e Brasil. O séc.XX levou centenas de milhares de portugueses de novo para o Brasil, depois para os Estados Unidos, Canadá e Europa, com França, Alemanha, Inglaterra e Suíça à cabeça. Gerações e gerações de portugueses ajudaram, com o seu empenho e tecnicidade, a desenvolver muitos dos países mais ricos da Europa e da América do norte. O 25 de Abril foi também o afirmar de que o Pais tinha de ter solução para os portugueses em Portugal. Para quem o fez, a miséria em qu se vivia, nao era para ser continuada. Portugal para os portugueses, as oportunidades para todos, que permitissem nascer, crescer, viver e morrer no pais. E nos primeiros 37 anos esse foi o caminho: apesar dos altos e baixos da economia internacional, Portugal desenvolveu-se, criando oportunidades para cada vez mais dos nossos concidadãos.

24.4.12

Manifesto "Abril não Desarma" em defesa dos valores da Liberdade

http://www.youtube.com/watch?v=LScDv0n0GAY&feature=youtube_gdata_player


Os Capitães de Abril, associados na Associação 25 de Abril (http://www.25abril.org/a25abril/), declararam não desejar associar-se, este ano pela primeira vez na sua história, às comemorações oficiais na Assembleia da República.

Desde logo o ex-Presidente Mário Soares e o ex-candidato presidencial Manuel Alegre anunciaram a sua ausência, amanhã, das cerimónias oficiais.

Esta atitude, inédita, espelha um total desalento em relação ao caminho, perigoso, que o nosso País toma. Tenho escrito amiúde, que somos governados, não por pessoas da direita conservadora típica de muitos quadros constitucionais europeus e modernos, mas apenas por uma direita neo-fascista, onde o elo mais perturbador até nem é colocado pelo PP, mas sim pelos mais retrógrados setores do PPD, que populam pelo aparelho de Estado e na Governação.

O que temos no nosso País é já um mero simulacro de democracia. O empobrecimento a que nos decidiram votar, estrangulando a economia real, a favor da finança especulativa, só conduz à redução dos direitos cívicos. A eestruição continuada dos serviços essenciais, como o apoio social, a educação e especialmente na saúde, refletem uma visão de uma sociedade manietada e só para alguns: os que fazem e cumprem os ditâmes das corporações internacionais e da banca sugadora nacional. nada para as pessoas, para as empresas, para a economia, tudo para a finança especulativa.

Neste quadro o que poderia e deveria esperar da Associação que representa quem nos restituiu a Liberdade, há 38 anos? Que participasse na farsa? Que batesse palmas ao PR? Ao orador de conveniencia que o PPD vai colocar na tribuna? Em nome de que valores? Os do 25 de Abril, da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade, não decerto.

Fizeram muito bem e dentro em ppouco tempo, se nada mudar, estaremos todos a dar razão a Otelo Saraiva de Carvalho. É que a paciência tem limites e ultrapassados esses, ...., já se sabe o que pode, e deve, acontecer!

25 de Abril sempre!

Post Scriptum 1
(E amanhã lá estaremos em Tomar, num almoço comemorativo do Dia da Liberdade, como é tradição ininterrupta, há 8 anos, no PS)

Post Scriptum 2
Links vários para notícias relacionadas:



23.4.12

Durante 15 dias todos seremos franceses

No rescaldo da primeira volta das eleições presidenciais francesas, onde a expetável vitória do socialista Holland, foi afinal menor do que se esperava e o resultado da extrema direita um pouco maior, tudo está em aberto para a segunda volta que se realiza dia 6 de Maio de 2012.

Se a curiosidade nos assaltar, podemos consultar os resultados, vila a vila, em http://www.liberation.fr/politiques/2012/04/22/presidentielle-2012-tous-les-resultats-ville-par-ville_813180

É que durante estes quinze dias, todos seremos franceses, ansiando pela necessária viragem política na França que catapulte a Europa, para um novo equilíbrio, com políticas mais justas e que coloque a essência no serviço às pessoas e não no serviço à "finança".

Este tem sido aliás o mote de toda a esquerda em França, que tem conseguido conquistar cada vez mais eleitores moderados, que há pouco tempo estavam do lado de sarko. Este é também o ligeiro movimento que se começa a observar em Portugal: a derrapagem, poucos meses depois das eleições, da força e apoio popular à maioria que nos governa. As pessoas compreendem agora que outro caminho é necessário e possivel.

Há no entanto neste resultado, onde uma vantagem de pouco mais de 1% separou o candidato socialista do atual presidente conservador francês (28%/27%), um fator de perigo para a democracia, como a vimos entendendo no "velho continente", que é o peso cada vez maior da extrema direita de Le Pen (filha), na casa dos 18-19%. Os riscos de contagio europeu deste tipo de movimentos xenófobos, anti-sistema, anti-política, anti-partidos, agravam os verdadeiros problemas das pessoas, ao puxá-las para os seus egoísmos, para a sua "vidinha", para a sua sala. Foi assim que nos anos 30 do Sec.XX se instalou um pouco por toda a europa um conjunto de regimes fascistas, que em nome da resolução dos problemas económicos de cada uma das famílais, lhes sonegou a liberdade em prold e uma máquina industrial de guerra, que provocou milhões de mortos por todo o continente.

Em França joga-se nestes quinze dias o futuro de toda a Europa.
O apelo que se deve fazer a cada um de nós é apelar a que os nossos conterrâneos que vivem e são eleitores em França votem, votem massivamente Holland, para com a sua vitória podermos salvar a Europa e com ela o nosso País. por isso meus caros, vamos lá a enviar emails e a telefonar aos nossos familiares e amigos portugueses que vivem em França, para os mobilizar.


22.4.12

Post mais visto da Semana 16 - IC9 em conclusão

Na semana 16, do dia 14 a 21 de Abril, o post mais visto por aqui foi mesmo aquele que incidiu sobre o IC9 e a sua conclusão em breve:

http://vamosporaqui.blogspot.com/2012/04/ic9-concluido-dentro-de-semanas_18.html

21.4.12

Livros revisitados - "A economia parasitária"

Há ícones que não morrem e Raoul Vaneigem é um deles. Nascido em 1934, ele é um dos teóricos da geração que produziu o Maio de 68. Belga de origem, cidadão de si e do mundo, considerado o mais Libertário e menos político dos membros da “Internacional situacionista”, movimento estético, político e filosófico que considerava de igual forma as opressões capitalistas e comunistas, perante o cidadão comum.

O livro de hoje, que não o seu mais conhecido “Traité de savoir-vivre à l'usage
des jeunes générations”
, de 1967, que foi um verdadeiro manual panfletário do Maio de 68, é uma compilação portuguesa derivada da obra francesa "Nous qui désirons sans fin”,  de 1996, na sua 1ª edição da Antígona, em 1999, com o ISBN 972-608-103-3, intitulado “A economia parasitária”.
É difícil ler Vainegem, sem um pequeno calafrio na espinha, tal o alcance dos seus raciocínios, pensamentos e prospetivas. Ele, como quase todos os libertários, assume a palavra e a acção, como uma verdadeira arma, nesta guerra permanente entre o satus quo e a modernidade assumida pelo Novo.

“O estádio parasitário da economia é atingido quando o valor de USO tende para zero e o valor de TROCA para o absoluto”, conclui clarividente Vaneigem, a páginas 50, relembrando a “economia de casino”, segundo a expressão de Mário Soares, na qual vivemos há décadas no mundo. Ora, quando observamos, especialmente desde 2007, ao descalabro da especulação financeira e ao sistemático roubo do trabalho, da produção, dos bens, numa espiral de superlativos económicos, sobre a essência do Homem, seja a sua vida, as suas relações, a sua vivência em sobreposição à sua “sobrevivência”, compreendemos este apologético conceito gritado por Vaneigem, em 1996, mais de uma década antes.

“A economia parasitária já não tem outra matéria a explorar que não seja ela mesma. Abandona a produção e aumenta o imposto sobre o trabalho. Retira-se do consumo e ameaça tirar ao consumidor o seu poder de compra se este não lhe confiar o depósito do salário, das poupanças, doa bonos, da reforma, o dinheiro dos gastos quotidianos, tudo coisas que doravante os Bancos reservam para seu lucro e emprestam a taxas usuárias.” (…)

“Isso de uma pessoa gastar e se agitar sem escrúpulos, como o discurso dominante levava o consumidor a fazer, são águas passadas. A falta de rendimentos obriga doravante o consumidor a poupar e a poupar-se, ao mesmo tempo que o dinheiro de sobrevivência que lhe é recusado reflui e vai frutificar nas mãos de uma oligarquia financeira.” (…)

“Prazer, saber, conforto, saúde, tudo isto são coisas que cada vez menos se podem vender e comprar, devendo cada vez mais sacrificarem-se com vista a sanear um orçamento onde os interesses privados proclamam ter por base o interesse público, não em virtude do que dão à sociedade, mas em função do que dela SACAM!” (…)

“Mas o totalitarismo económico deixou entretanto de precisar de homens políticos ou de ideologias. Bastam-lhe funcionários que administrem mundialmente a dívida pública e a falência dos estados nacionais”.

Perante o escrito de Vaneigem, em 1996, sobre a realidade que hoje é para todos nós cada vez mais evidente, é lícito perguntarmo-nos: deveremos encontrar ou não outro caminho? Há ou não outra solução para os povos, para o País, para a nossa terra?

Sou daqueles que acredita que sim e que, da leitura dos mais vanguardistas e da aprendizagem assim obtida, evitaremos a instalação, já a operar-se, de um sistema neo-fascista, o qual reduz o indivíduo a coisa e a coisa a bem transaccionável especulativamente!

20.4.12

Bombeiros em Tomar mantêm-se como base de receitas no Municipio

É sabido que a minha ligação com o setor da proteção civil, remonta já a 2005, altura em que ingressei em funções de nomeação política como adjunto do governador civil do distrito de Santarém.

A experiência vivida após a entrega do pelouro da proteção civil e bombeiros, a partir de Novembro de 2009, permitiu-me desenvolver a perceção da importância da criação de um modelo de sustentabilidade para este setor, altamente deficitário, do Estado.

Assim, uma das primeiras preocupações da minha vereação passou por aferir das novas necessidades de recursos humanos, os quais permitissem melhorar a prestação de serviços à população. Outra das preocupações foi a de descobrir quanto custava o sistema. Descobrimos então que no ano de 2009, a despesa rondava o milhão e 50 mil euros e a receita ascendeu a 115 mil euros. Era portanto um grande buraco financeiro.

Aumentando os recursos humanos, reformulando a organização interna e alguns procedimentos de controlo, foi possível aumentar no primeiro ano as receitas para 226 mil euros, mantendo inalterada a despesa. No segundo ano de gestão mantiveram-se grosso modo os valores anteriores.

Só quase no final do ano de 2011, dois meses antes do final da nossa missão que terminou em Novembro, foi possível, após quase um ano de bloqueio do Presidente da Camara, aprovar uma importante reforma do preço dos serviços prestados pela proteção civil e bombeiros, tabela essa se devidamente aplicada, permitiria melhorar, segundo as nossas proteções, em mais de 30% as receitas do sistema sem alterar significativamente a despesa.

E estamos a falar de uma média de 750 alertas, saídas, por mês, realizadas pelos nossos bombeiros, que tem sido a média desde o inicio de 2010, superando em 100 os 650 que até aí, nos anos 2008 e 2009 aconteciam.

Só a manutenção deste nivel de serviço, que corresponde a cerca de 28 saídas por dia, segundo consegui apurar têm-se mantido constante nos 4 meses que entretanto medeiam desde a nossa saída da vereação. Tal permite espetar que a receita da proteção civil este ano se possa aproximar dos 250.000€, face ao aumento de receitas que promovemos com os novos preços de Setembro.

Se assim for este setor será dos poucos que no Municipio aumentará o nível de cobertura das receitas, sobre as despesas, contribuindo para a melhoria da sustentabilidade do nosso Municipio.

Tal demonstra, que o empenhamento e acompanhamento estratégico das diferentes áreas do Municipio, é compensador e que é possível com as atuais regras da função publica, aumenta di as compensações aos trabalhadores e Voluntarios, se obtém melhores resultados financeiros.

Esperemos que esta Camara nao se esqueça de cobrar o que fatura. É que por muitos serviços que os bombeiros façam, se não cobrarem os serviços, pouco haverá a fazer.

Congratulo-me que tenha sido possível manter um nível de disponibilidades recursos humanos, para a qual contribuiu a manutenção dos recursos humanos neste setor e com isso manter o nível de serviço às populações, bem como as expetáveis receitas para o Municipio.

19.4.12

Decisões da reunião de câmara de hoje

Visto que hoje houve, de novo, reunião de câmara, eis algumas das decisões que me cumpre destacar:

Site do PS de Tomar.

Amanhã temos mais notícias.

18.4.12

IC9 concluído dentro de semanas

Depois da abertura do troço do IC9, entre a Nazaré e a estrada nacional nº1, nas imediações de Pedreiras-Porto de Mós, prevê-se que o troço seguinte entre a mesma estrada nº1 em S.Jorge-Batalha e Estação de Fátima possa estar concluído até ao final do mês de Abril.

Este grande investimento, de mais de 400 milhões de euros, contemplou ainda a ligação entre a A8 e a A1 em Leiria, bem como a variante à Batalha, permitindo renovar de forma determinante a mobilidade na envolvente à capital regional de Leiria.

A breve abertura desta nova estrada de ligação do Ribatejo ao Oeste, entre Tomar e a Nazaré, reduzirá para 50 minutos a deslocação entre a cidade Templária e a Vila ícone da Nazaré, numa afirmação da rota iniciática, também percorrida por D.João V há 300 anos (1711): Nazaré, Alcobaça, Batalha e Tomar. Hoje junta-se a estes pontos iniciáticos, a cidade de Fátima com o seu templo Mariano.

O tempo reinventa-se e reencontra-se assim, nos "caminhos" que se cruzam e afirmam entre o Ribatejo e o, seu, Oeste.

Fruto do desejo e vontade de um Governo que quis contribuir para um território mais coeso, Tomar, Ourém, Fátima, Leiria, Batalha, Porto de Mós, Alcobaça e Nazaré estão hoje cada vez mais próximas, afirmando uma cada vez maior interação e envolvimento regional.

Falta agora "alterar" o mapa regional, provendo a integração dos Concelhos de Marinha Grande, Leiria, Batalha e Porto de Mós na Região de Lisboa e vale do Tejo, juntando-se assim a Tomar, Ourém, Alcobaça e Nazaré, que já o integram originalmente.

A seguir a notícia do site www.tintafresca.net

17.4.12

Dormidas turísticas em expansão

A notícia é do diário económico, mas podia ser de outro qualquer, visto que o sub-setor da hotelaria se mantém em expansão, apesar da "crise".

O número de dormidas de estrangeiros continua a subir a um ritmo apreciável, enquanto os portugueses o fazem cada vez menos (em estabelecimentos hoteleiros nacionais). Mas as receitas não acompanham a mesma tendência. Diz o INE:

“As dormidas na hotelaria atingiram 1,9 milhões em Fevereiro, mais 2,3% do que no período homólogo do ano anterior. Para este resultado contribuíram apenas os não residentes (+6,2%), uma vez que os residentes registaram uma variação negativa (-4,5%).
Dos principais mercados emissores, evoluíram positivamente o Brasil, Países Baixos, Alemanha e França, que, em conjunto, cresceram 16,5% relativamente ao período homólogo.
Os proveitos totais apresentaram uma diminuição homóloga de 2,3%, enquanto os de aposento pouco oscilaram (+0,5%).”

*******

De destacar nesta noticia que as receitas se encontram em diminuição, apesar do aumento das dormidas. E aqui está um dado de que deve haver preocupação no setor do turismo. A expetativa para esta década era de um crescimento do setor em cerca de 10% ao ano na Europa, que é apenas o maior destino turístico mundial. O fomento far-se-ia cada vez mais com base nos mercados extra europeus e com algum crescimento tendo por base os aposentados dos países do centro e norte da Europa. Segundo estes dados, demasiado parcelares, podemos estar a observar a fim da possibilidade de crescimento com base nesses mesmos aposentados da Europa, uma vez que a retração nas aposentações à escala europeia irá ter cada vez maior relevância.

Em Tomar nao são conhecidos dados, mas quer 2010, quer 2011 foram dois bons anos em termos de dormidas e segundo informação dos próprios hoteleiros, também a nível de receitas. Mas qual será a estratégia que a autarquia estará a seguir para este setor? Desconhece-se por enquanto...

16.4.12

Quem tramou o Centro Hospitalar do Médio Tejo?

Desde Janeiro, muito se tem escrito e dito sobre o Centro Hospitalar do Médio Tejo, mercê do inicio da implementação de um processo sistemático de redução dos serviços, nas unidades hospitalares de Torres Novas e especialmente em Tomar.
Acontece que os problemas, as especulações, a tentativa de o destruir, começaram há muito.

Mas, pelo menos durante os anos da existência do Governo Civil do Distrito de Santarém, no mandato 2005 a 2009, foi possivel trabalhar de forma a garantir que o mesmo não era totalmente "destruido" pelos vários interesses em jogo.

E quando se fala em interesses, não têm os mesmos que ser objetivamente negativos per si. Todos os grandes negócios e setores, públicos ou privados, mexem inúmeros interesses. Alguns legítimos e frontais, outros ilegíticos e covardes. E sobre a presença destes diferentes interesses na vida do Centro Hospitalar do Médio Tejo, temos tido de todos!

Convém no entanto e sobre esta questão, clarificar o posicionamento que durante alguns anos - os mais críticos -, houve em relação ao  Centro Hospitalar do Médio Tejo.

Desde logo, a leitura de uma visita do então Governador Civil Paulo Fonseca, aqui em Agosto de 2008, já na vigência da famigerada Portaria, que criou urgências diferenciadas em Abrantes, Tomar e Torres Novas, mas que o Governo decidiu que eram para se manter em complementariedade.

Aliás sobre isso, não é demais recordar que foi o trabalho realizado a partir do Gabinete do Governador Civil chefiado pelo atual Presidente da Camara de Ourém e onde eu próprio era adjunto.
E o que fizemos? Reunimos informação, falámos com os autarcas envolvidos, com profissionais do setor, sempre dentro de uma descrição, que este tipo de assuntos exige. Finalmente e após várias trocas de emails e ofícios com o gabinete do secretário estado da saude, ao tempo o Dr.Francisco Ramos, houve em Santarém reunião, onde ficou assente o modelo de valências e urgências para o Centro Hospitalar do Médio Tejo.

Sobre as valências, dando continuidade à concentração a prever num Plano estratégico a elaborar, que levasse em linha de conta as já instaladas em cada unidade e a especificidade da distância entre as equipas e as cidades.


Sobre as urgências, o que se sabe: a Portaria contemplaria a particularidade das urgências no médio Tejo terem de funcionar em complementaridade, tendo por referencia a designação de "médico cirúrgica" à instalada em Abrantes e "SUB5" às instaladas em Tomar e Torres Novas. Isto teve de ser assim decidido em virtude da óbvia impossibilidade de adapatação da urgência de Abrantes para poder servir toda a região, conforme o celebre estudo da concentração das urgências elaborado pela Universidade de Coimbra e na altura (2007-08), tanta discussão havia gerado. Para que a urgência de Abranes fosse "adaptada" seriam necessários milhões de investimento e uma redução do serviço às populações servidas por Torres e Abrantes, as quais, naturalmente passariam a aceder às urgências de Santarém e Leiria, ficando assim globalmente mais longe dos serviços hospitalares do que então estavam.

Tudo isto foi estudado, orientado e decidido politicamente, sob os auspícios e coordenação do Governo civil, que era também para isso que existia na altura.

E em conclusão: Nos Governos do PS não fecharam as urgências e as populações de Tomar (Ourém e Ferreira) e de Torres Novas (Alcanena, Entroncamento, Barquinha e Golegã), nao viram a sua qualidade de saúde diminuída.

E o fato é que quem fechou urgências, reduziu valências e consequentemente promoveu despedimentos e deslocalizações de pessoal, bem como reduziu camas hospitalares, foi este Governo PPD-PP, numa lógica economicista que nao respeita as pessoas e a sua vida.

Felizmente que colaborei com um Governo (2005-09), que sendo socialista, respeitou o interesse das populações da minha terra e região.

Ontem realizou-se uma boa manifestação em favor do SNS e contra a reestruturação em curso no CHMT. Independentemente do que se disse e quem disse o que disse, a presença da mole grande de pessoas do Concelho, em defesa do seu Hospital é importante e demonstra, antes de mais, que muitas mais fases, nesta luta justa e solidária.

Parabéns a todos os que deram a cara, entre os quais autarcas de todos os partidos e movimentos políticos de Tomar. Desde muitos Presidentes de Junta e outros autarcas de freguesia, ao Presidente da Câmara e vereadores, à Presidente do PS de Tomar e outros deputados municipais, todos disseram presente: em favor de Tomar!

15.4.12

Post mais visto da Semana 15, sobre o RI15

Segundo o nosso contador, durante a semana n.15, entre 8 e 14 de Abril, o post mais visto por aqui foi o referente ao RI15:

Será o quartel do RI15 o próximo a encerrar em Tomar?

E no mês que mediou entre 16 de Março e 14 de Abril, foi o seguinte o mais visto:

IC9 com obras a bom ritmo

13.4.12

Será o Quartel do RI15 o próximo a fechar em Tomar?

O Dia do Exército comemora-se a  24 de Outubro, tendo-se realizado as últimas comemorações na Cidade de Bragança, com um programa que pode ser lido aqui .

Segundo informação ontem prestada pelo Presidente da Câmara, podem as próximas comemorações vir a realizar-se em Tomar, coincidindo com a semana de mais uma Feira de Santa Iria, um dos pontos altos do nosso circuito de eventos.

Segundo informações recolhidas e ontem por nós (PS) divulgadas na reunião de Câmara, há o perigo do espaço ocupado pelo quartel militar do RI15, que é apenas o mais condecorado dos Regimentos do Exército Português, poder vir a ser "desafetado" do uso militar, na senda de mais uma "listagem" de equipamentos/infra-estruturas do Estado que poderão vir a ser vendidas. Estão nesse rol, o edifício do Hospital de Tomar, o Palácio de Alvaiázere, onde funcionam as conservatórias de registo civil e predial, o renovado Tribunal de Trabalho de Tomar e o também renovado edifício da repartição de finanças de Tomar.

A verdadeira "loucura" de destruição do Estado, desde o encerramento de extensões de sáude, a proposta extinção de Freguesias, o desaparecimento de serviços hospitalares, tribunais, escolas e agora até aquartelamentos militares, parece ter tomado definitivamente conta deste Governo.

Lamentavelmente era neste tempo que se exigia que da parte dos líderes das comunidades locais houvesse força, capacidade de influência e determinação. Em 2008 houve: na defesa das urgências em Tomar, que não foram desqualificadas. Haverá agora, que a Câmara e o Governo são do PPD? Será?

Será o nosso quartel do RI15 a próxima vítima? Num ano em que se poderá comemorar em Tomar o dia do Exército?
Esperemos que não!
Especialmente porque temos em Tomar aquartelamento militar desde o Sec.XII, quando foi inicida a construção do Castelo pelos Templários.

12.4.12

PPD de Tomar tem mais uma derrota na Câmara

Hoje exececionalmente às 12H05, hora a que o assunto foi votado na reunião de Câmara, surge o post.

É que o PPD de Tomar, gerido por Tenreiro hoje, como ontem por outros de igual acerto, obteve mais uma derrota, uma vez que a oposição do PS. E dos independentes recusou aprovar a conta de gerência do ano de 2011.

Já é um sem número de derrotas que este PPD vem obtendo, desde que em Novembro o PS decidiu dizer basta à partilha de poder que tinha com este na autarquia por, objetivamente, nunca ter colaborado com a estratégica intervenção dos vereadores do PS nos seus pelouros ou sequer ligado ao que estes propuserem durante dois anos. Hábitos antigos levam o PPD a averbar cada vez mais derrotas, na Câmara e Assembleia Municipais.

Não havendo qualquer consequência prática a esta recusa, ela tem apenas a sua dimensão política: o de o PPD estar num bêco sem saída. Isolado. Sem rumo, nem energia para defender e representar Tomar de forma séria e reivindicativa quando se observa a uma tendência para furonas fechado em Tomar, por iniciativa do Governo PPD/PP.

E ainda agora a procissão saiu do adro, como diz o povo.

A minha declaração e da minha camarada Anabela Estanqueiro, que esteve na reunião de Camara, por substituição do vereador Vitorino, pode ser lida em Site PS de Tomar.

11.4.12

Centro de Apoio à Família é segunda Loja Social em Tomar

Foi na segunda-feira inaugurado nas instalações municipais da cave da ex-cooperativa de habitação económica Nabância, a segunda "Loja social" de Tomar, depois da iniciativa do núcleo de Tomar da Cruz Vermelha, ter avançado com a sua "Loja Social" na Rua de S.João.

Finalmente, após mais de quatro anos depois de o PS andar a propor a instalação de uma Loja social, através de iniciativa municipal, o Minicipio lá se resolveu e através de um conjunto de parcerias desenvolvidas no CLAS (Conselho Local de Ação Social), da respectiva Rede Social do Municipio, abriu o CAF (centro de apoio à família), que mais nao é que uma loja social.

Este CAF, constituído ao abrigo de normas e dispositivos da própria segurança social nacional, vem demonstrar o acerto das políticas sociais de nova geração, imprimidas e implementadas pelos anteriores governos socialistas, numa perspectiva de partilha de saberes e recursos entre as instituições e as pessoas.

O Municipio de Tomar foi o penúltimo Municipio do Pais a implementar a respectiva Rede Social, mas felizmente que apesar do atraso o fez, uma vez que o trabalho que irá ser desenvolvido será importante para o equilíbrio e solidariedade entre os habitantes do Concelho.

O lugar pioneiro da Cruz Vermelha, agora contribuído pelo CAF da Rede Social, não excluí a entrada de outras instituições ou grupos mais ou menos informais nesta disponibilidade de "Lojas sócias", mais generalistas ou setorizadas. Há espaço para todo o tipo de apoio e solidariedade.

A todas as instituições e pessoas envolvidas os meus parabéns, uma vez que o esforço para melhorar a vida dos outros é sempre de incentivar. Aliás o caminho é mesmo por aí: partilhar e oferecer o que já não precisamos ou que não nos faz muita falta. Há sempre alguém que lhe dará outro uso!

10.4.12

Câmara de Tomar atrasa pagamentos à Associação de Bombeiros

Foi notícia no informativo das 13H00 da Rádio Hertz, na passada Quinta-feira, que haviam atrasos na compensação aos bombeiros voluntários do corpo misto dos Bombeiros Municipais deTomar.

Essa compensação, quase simbólica, de responsabilidade da respetiva Associação que engloba apenas os bombeiros voluntários em serviço e do quadro de honra, é honrada através de um financiamento variado, entre o qual as atividades da própria associação, donativos de entidades e de pessoas individuais e de subsídios públicos, entre os quais um subsídio, que com alguma regularidade o Município vai atribuindo.

E assim foi, na reunião do passado dia 15 de Março de 2012, quando a Câmara atribuíu um subsidio de 12.000€ para a Associação de Bombeiros. Sempre assim tem sido e os nossos bombeiros voluntários, que asseguram todo o periodo de funcionamento dos bombeiros municipais entre as 21H00 e as 6H00 de cada dia de semana, bem como as 24H do dia aos fins de semana e feriados, ou seja cerca de 60% do tempo de funcionamento dos bombeiros, recebem uma compensação simbólica de 1,80€ por cada hora de voluntariado.

Mas nem sempre foi assim. Mercê do trabalho conjunto realizado pela anterior vereação socialista e a Associação de Bombeiros, foi possivel assegurar uma otimização dos recursos à disposição da Associação, sem aumento dos subsídios do Município, de forma a que os bombeiros voluntários vissem a sua "compensação" subir dos 1,60€ que em média por hora recebiam, para os atuais 1,80€/hora, numa melhoria de cerca de 13%. Para que tal fosse possível o Município comprometia-se a disponibilizar com a regularidade necessária, através de novo protocolo aprovado em 2010, os subsidios referentes à compensação para o Fundo Social do Bombeiros. E tudo isto, DE FORMA ATEMPADA.

Em abono da verdade já durante o ano passado, os atrasos nos subsidios para a Associação de Bombeiros, começaram a criar dificuldades à atempada compensação aos voluntários, sempre ultrapassadas com grande disponibilidade dos dirigentes da Associação e empenhamento da vereação socialista responsável pelos bombeiros, que ajudava ao "lobbing" para que os bombeiros não fossem prejudicados.

Mas este ano, os atrasos avolumam-se. Desproporcionadamente. Sem solução de médio/longo prazo espetável.
Não se sabe aliás, desde que em Novembro este setor deixou de estar sob responsabilidade dos socialistas, que receitas têm sido arrecadadas e que cobranças em atraso têm sido desencadiadas no setor dos bombeiros e proteção civil. Sem controlo nas receitas e procura de realização de mais serviços, não é possivel ter fundos disponíveis para compensar osbombeiros de forma justa.

Sei bem que não foi fácil aumentar as receitas neste setor de 115 mil euros, para 226 mil no primeiro ano de gestão: Tal só se conseguiu através de um forte empenhamento na cobrança de todos os serviços efetuados e do aumento em mais de 14% dos mesmos. Mais trabalho. Mais receita. mais compensação. Justiça, enfim!

E agora? O que faz a gestão do PPD?
Deixa atrasar compensações aos bombeiros.
Deixa reduz os serviços realizados às populações. 
Não atua para evitar a redução das receitas arrecadadas.
Se gerem desta forma, prejudicando os cidadãos contribuintes e os cidadãos bombeiros, pergunta-se: o que estão lá a fazer?

9.4.12

As insistentes mentiras do Governo sobre o Hospital

Amanhã, Terça-feira dia 10 de Abril, a comissão de saúde da Assembleia Municipal de Tomar, será recebida, para efeitos de audição no âmbito do processo parlamentar de apreciação da PETIÇÃO entregue sobre o Centro Hsopitalar do Médio Tejo, com especial incidência no Hospital de NªSra da Graça, de Tomar.

No entretanto, continua a ser impressionante o esforço que diversos setores da nossa região colocam na tentativa de justificar o injustificável, como seja a tentativa, desesperada, de tentar demonstrar que com menos urgências, com menos valências, com menos médicos, enfermeiros e camas hospitalares, as populações têm melhor acesso à saúde.

A resposta dada pelo Governo aos Deputados do PS, que recordo foi tomada a solicitação dos socialistas de Tomar, é anedótica, mentirosa e naquilo em que fala verdade, apenas demonstra que vão existir despedimentos nos Hospitais de Tomar, Torres Novas e Abrantes.

Ela pode ser lida http://pstomar.blogspot.pt/2012/03/resposta-do-governo-aos-deputados-do-ps.html, e as conclusões mais abrangentes ficam para cada um.

Eu não percebo em que mundo vive quem defende o que está a ser feito no Centro Hospitalar do Médio Tejo, mas objetivamente os que ajem por medo, mais não estão que a patuar com o mais brutal ataque alguma vez realizado por um Governo ao serviço nacional de saúde e às garantias constitucionais de acesso universal aos cuidados de saúde.

Como já por aqui escrevi e não me canso de repetir, quando se avalia a sustentabilidade do sistema de saúde, dever-se-á levar em linha de conta todo o gosto no acesso á saúde, onde a despesa privada também conta e essa não pára de aumentar: urgências a 20€ em Tomar e Torres Novas e 28€ em Abrantes, acrescidas do custo do transporte (privado)... E o tempo perdido? Em que condições finais aparecereão os doentes nas respetivas urgências ou mesmo nas especialidades, depois de andarem na romaria USF/ centro saúde/ urgencia A/ urgencia B/ internemento 'disto' e 'daquilo'/ nova urgencia ....

Tenho dito e afirmo novamente: é chegada a altura de serem exigidas responsabilidades civis e criminais aos gestores políticos (Governo) e funcionais (ARS e Administração Hospitalar) destas alterações, de forma a que o "erro" e a "degradação da saúde e da vida das pessoas", não possa ser tolerada. Em primeiro lugar, porque não é justo e em segundo porque é ilegal. E as atitudes ilegais levam-se para Tribunal! Já!

6.4.12

Boa Páscoa

Volto segunda-feira. Até lá, boa Páscoa. Fixe!

5.4.12

A razão de quem diz a verdade sobre a saúde no Médio Tejo

A história escreve-se pela mão dos corajosos, não dos covardes, não dos seguidistas, não dos que se "vergam". E a razão, essa pérola da essência humana, injustamente distribuída, constitui como a verdade, um difícil fardo, que nem todos estão preparados para deter.

Vem isto a propósito do muito que se tem dito e escrito sobre os cuidados de saude na nossa região. Das alterações em que o nossa terra tem estado a ser "laboratório", em prejuízo dos mais débeis, dos mais idosos, de quem sofre e de quem precisa. Claro que os privilegiados, os usurpadores dos recursos do Estado ou os especuladores que vivem à conta do favor do estado para alicerçarem a sua riqueza, dirão sempre que as alterações que se efetuam são para "melhoria do sistema". Mentira digo eu. É mentira sabemos nós.

Desde há meses que o Governo PPD-CDS vem impondo no Médio Tejo no geral e em Tomar em particular, uma das suas mais draconianas políticas: "a poupança na saúde". Mentira. Não se trata de qualquer poupança, mas apenas e só de transferir a despesa do Estado para as famílias, reduzindo o acesso aos cuidados de saude, seja pelo encerramento de serviços, a começar pelas urgências, seja pelo aumento exponencial das taxas de pagamento. Só para se ter uma ideia é hoje mais barato ir a um médico privado com convenção com a ADSE do que ir à unidade de saude familiar do Serviço nacional de saude (centro de saúde ou extensão médica).

Querem poupar? Façam boa gestão: dos recursos humanos, dos equipamentos que têm à disposição, das instalações pagas com financiamento comunitário e com o dinheiro de todos nós. Não se deixem ficar nas mãos dos fornecedores: de mão de obra especializada, de serviços complementares de diagnostico, das farmacêuticas... Façam gestão e não favores!

Tenho andado estupefato com o chorrilho de mentiras que, a propósito das alterações na saúde, vêm sendo ditas e escritas na nossa região. De tudo o que se está a fazer, nem um estudo, nem uma avaliação que sustente as opções tomadas. Nada! O mais e completo amadorismo, cedência a lobbies, aplicação cega das políticas mais neo-fascistas alguma vez seguidas em Portugal.

Em lugar de gerir fecha-se! Em lugar de perseguir os "ladrões", prendem-se os "roubados", neste caso "fechando-os" em casa e até que a doença alastre e o recurso aos cuidados hospitalares se dê apenas para o "corredor da morte". O desprezo pelas pessoas é de tal forma gritante, que se pergunta mesmo se esta gente acha que se safa mesmo sem ir parar com os costados a tribunal, por evidente e ostensivamente negligente incumprimento do serviço publico a que estão obrigados?

Mas por via das dúvidas leiamos quem sabe, quem há varias anos acompanha o processo hospitalar e que se lhes tivessem dado ouvidos há mais anos, muitos dos problemas que hoje vivemos não se estariam a passar:

(in site radio Hertz)

MÉDIO TEJO – Comissão de Utentes da Saúde faz balanço das mudanças implementadas no CHMT

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo escolheu a sede da Junta de Freguesia de Santa Maria dos Olivais para realizar o primeiro balanço das recentes mudanças levadas a cabo nos três hospitais do CHMT.

Em conferência de imprensa, Manuel José Soares, porta-voz da Comissão, apresentou casos concretos, alguns deles dramáticos, para justificar que as coisas não estão bem, nomeadamente no que diz respeito às urgências da Unidade de Abrantes, algo já admitido pela própria autarca Maria do Céu Albuquerque. Manuel José Soares falou em duplicação de serviços e num episódio concreto que resultou na morte de uma senhora: «Há duplicação dos serviços de urgência. Há pessoas que vão para o Hospital de Tomar, depois seguem para Abrantes e, de seguida, regressam, outra vez, à unidade de Tomar.

E no Hospital Nossa Senhora da Graça, para além dos casos dramáticos de que temos conhecimento, há registo para longos períodos de espera. Já em Torres Novas, há o exemplo de uma pessoa que morreu... Para já, há o tempo inacreditável que passam nas macas e, depois, ainda andam de um lado para o outro. Uma senhora sentiu-se mal. Já tinha um episódio de AVC e tinha Lupus. A senhora, do Entroncamento, chamou o 112 e, depois, foi encaminhada para Torres Novas. E perante o quadro clínico, Torres Novas encaminha a senhora para Abrantes. A estabilização foi feita e, depois, a senhora foi remetida para a medicina interna de Torres Novas novamente. Na quinta-feira, durante a tarde, com a cardiologia a funcionar, a senhora sente que tem novo episódio. Em vez de chamarem os médicos que estão no serviço, metem a senhora numa ambulância para a urgência de Abrantes. Conclusão: a senhora acabou por falecer. Dou outro exemplo: numa insuficiência respiratória, uma pessoa de idade... Em Tomar não há medicina interna mas em Torres Novas existe esse serviço.

A pessoa chega lá e em vez de a internarem a começarem a fazer o tratamento, mandam-na para a urgência de Abrantes, onde está muito tempo à espera... e depois está de regresso a Torres Novas. Falo, agora, de um caso de um doente de urologia, que chega à urgência do Hospital de Tomar. Pegam na pessoa, levam-na para Abrantes e depois de realizarem o tratamento de estabilização é que a mandam para internamento na urologia. De tal maneira que há profissionais que dizem que os doentes estão a chegar muito mal tratados porque estão horas demais em maca. É evidente que tudo isto tem de ser corrigido. E nós alertámos e já apresentámos soluções».

Manuel José Soares garante que a Comissão de Utentes já apresentou propostas de alternativa ao funcionamento que tem sido implementado, dando como exemplo a necessidade da existência, nos três hospitais, do internamento da medicina interna e da pediatria, para além de um serviço de urgência adaptado à procura: «Já que o Conselho de Administração diz que o processo é dinâmico e tem que sofrer correções, então nós avançamos com a nossa proposta no sentido de poder utilizar, de melhor forma, os meios que temos.

Por razões humanas e por razões clínicas é necessário que a urgência, mesmo com a designação de básica, seja readaptada e reavaliada face à procura e à tipologia de doenças de que há registo, isto para além da necessidade de que os internamentos de medicina interna e de pediatria sejam feitos nas três unidades. E há que dar o exemplo da urologia... Praticamente não havia registo de operações em Abrantes e, agora, em Tomar, já multiplicou os números algumas vezes. Entendemos, é um facto, que algumas valências devem ser centralizadas mas, ao menos, que estas apresentem trabalho! Na verdade, ainda ninguém viu nenhum plano de acção para o ano de 2012.

Por exemplo, como é que a cirurgia vai funcionar? Quais são as metas que a cirurgia tem de atingir? Ninguém nos diz como é que os trezentos doentes que eram assistidos no Centro Hospitalar do Médio Tejo, na área da infecciologia... Sabemos que nem há consultas nem tratamentos, pelo que as pessoas até estão a ser aconselhadas a ir para Santarém, que já tem problemas de sobra, e para Leiria. E também não há indicação de quando voltam as consultas de obstetrícia e ginecologia a Tomar».

Ainda na conferência de imprensa, registo para outros dados, à escala nacional, apresentados pela Comissão de Utentes, concretamente face ao número de óbitos nos primeiros meses de 2012. Manuel José Soares lamenta que as pessoas sejam prejudicadas: «Os cuidados de saúde estão mais distantes, mais caros e os utentes e respectivos familiares estão a sofrer. E ninguém até hoje disse que estas situações não se passam! E estes relatos chegam-nos por mails, por testemunhos directos e por observação, uma vez que a Comissão de Utentes também vai às urgências ver o que se passa.

Por exemplo, em Tomar, na terça-feira da semana passada, nem o próprio ecrã que indica os tempos estava a funcionar. Foi necessário protestar para que a normalidade fosse reposta. O próprio presidente do Conselho de Administração diz que os picos na urgência aconteceram só no surto de gripe. Mas a verdade é que há surto de gripe todos os anos. A verdade é que não houve nenhuma semana, do ano de 2012, onde houvesse registo para menos óbitos relativamente às semanas correspondentes do ano passado».

4.4.12

Jovens roubam fruta da tenda do Mercado e Município rouba-nos a paciência

Parece que no início desta semana um pequeno grupo de jovens, aproveitando a oportunidade de um acesso fácil, penetrou na tenda do mercado e levou fruta.

Adolescentes da nossa cidade tiveram a oportunidade de roubar fruta, a partir de uma infra-estrutura que "nós" permitimos e criámos e que nos "rouba" todos os dias a paciência.

A atitude dos jovens está errada. Foram disso advertidos da forma adequada, pela autoridade policial.

Mas quem adverte de forma adequada a atitude dos que promoveram a desqualificação do mercado. Permitiram o seu encerramento. Decidiram a compra da tenda e da sua instalação "provisória" há ano e meio. Não executam a decisão de mandar fazer Projeto para novo mercado, nem arranjam e põem a funcionar o actual edifício.
Sim! A estes quem os põe na ordem?
A autoridade policial não o pode, nem deve, porque formalmente vivemos ainda num regime constitucional democrático.

E os cidadãos?
Alguém se quer incomodar e dizer cara a cara: os senhores mentiram? Os senhores escondem a vossa responsabilidade nas malhas de uma burocracia que nós não entendemos. Os senhores destroem a Cidade e o Concelho.
Permitem que tudo feche. Permitem que tudo saia de Tomar. São incapazes. Estão velhos e caducos, sem alma, sem coragem, sem soluções.

É hora de perguntar: o que fazem aí ainda?
Tenham dó e deixem de "roubar" a nossa paciência.
Deixem de nos "roubar" a paciência.
Deixem de nos "roubar".
Deixem-nos.
Deixem.

3.4.12

Município espalha "lixo" na Cidade turística

Da intervenção "polis", em boa hora colocada em execução pelo governo de António Guterres e que, na maioria das cidades, conduziu a intervenções estruturantes do seu espaço urbano, "sobraram" para o Municipio de Tomar algumas barreiras tipo new jersey, que têm sido aplicadas inopinadamente, como esta que aqui se encontra na Rua de S.João.

barreira New Jersey é uma barreira de segurança, geralmente fabricada em betão, utilizada como separador de fluxos de tráfego, como guarda em obras de arte ou para delimitar provisoriamente zonas em obras. A barreira New Jersey tem como principal vantagem uma elevada resistência ao choque e a ocupação de um espaço diminuto.
É portanto um elemento da atividade da construção, especialmente vocacionada para "auto-estradas".
Todos sabemos que à cidade de Tomar se aplica efetivamente o conceito típico da utilização deste elemento, está de ver!
Aliás, em qualquer cidade com vocação turística é comum vermos este tipo de elementos espalhados, como temos encontrado na nossa Cidade, pelas enormes ruas do nosso centro histórico ou no Largo do Pelourinho, por exemplo.
Para os meus leitores não sei, mas para mim, que ando repetidamente há dois anos a solicitar que não se usem estes elementos na cidade, entendo que isto numa cidade vocacionada para o turismo, mais não é do que lixo.
Enquanto responsável pelo turismo municipal, tive há dois anos atrás (2010), por esta altura do ano, de promover o aluguer durante vários meses casas de banho amovíveis para apoio aos turistas, junto à entrada do Castelo Templário. Isso teve de ser feito, por iniciativa do turismo municipal, uma vez que os serviços do atual presidente entenderam soldar a porta de acesso às casas de banho da cerrada dos cães, em lugar de as limpar e recuperar. É assim que se trata o turismo em Tomar!
Para esta gente que gere o Município, promover a nossa cidade, passa por espalhar lixo pela cidade, fechar com solda portas de casas de banho públicas, colocar brita em rotundas em lugar de flores ou em manter durante meses zonas do centro histórico por calcetar, além de mandar fechar o posto de turismo e a maioria dos monumentos à hora de almoço. E isto só para dar alguns exemplos!
Numa cidade que tem uma Escola politécnica, que ministra um curso superior na área do turismo, com cujo departamento existe até um protocolo de colaboração com o Município, percebe-se bem que esta forma de atuar não é engano ou distração: é mesmo reiterada e persistente incompetência.
Além do "lixo" que tem sido a sua gestão, durante os últimos 15 anos, este PPD que nos gere, só sabe espalhar lixo pelas nossas ruas. Quanto mais tempo vamos aguentar isto, sem fazer nada?
Eu por mim cansei-me e a partir de agora não vou dar mais um milímetro de folga. Tomar merece melhor sorte!
.

2.4.12

Freguesias de Tomar combatem "Lei Relvas"

Segundo notícia do blogue http://tomaracidade.blogspot.pt/2012/03/freguesias-de-tomar-marcam-presenca-na.html, a participação das Freguesias de Tomar na manifestação nacional de Freguesias, foi significativa.
Esta proposta de Lei, que ficará conhecida como a "Lei Relvas", leva à extinção administrativa de mais de 1200 Freguesias, sem que se consiga ainda entender com que vantagens.

Na sexta-feira o PPD de Relvas, Tenreiro e Carrão, autor de mais esta embrulhada, ainda tentou tirar mais um Coelho da cartola, "flexibilizando" a extinção das Freguesias rurais em 20%, o que no nosso Concelho levará à extinção obrigatória mínima de 4 Freguesias rurais, além da fusão das duas da Cidade.

Mas o problema, que Relvas e o PPD, não conseguem mesmo atingir, é que o que é ilógico é prescindir da generalidade das Freguesias rurais, que não só não pesam nada no orçamento de Estado, como constituem muitas vezes o único elo de ligação dos mais isolados e idosos à administração do Estado.

Porque não se deixam de tretas e tratam mas é do grave problema da falta de dinheiro disponível às famílias com emprego e dos empregos para os mais de 1 milhão que o não têm? E deixem de vez as Freguesias em paz, que não só não têm dividas, como não fizeram mal nenhum a ninguém.

Aprendam com Lisboa na reforma administrativa que o meu camarada António Costa, com a ajuda do PSD local, soube fazer e deixem de vez enjoas as Freguesias rurais.

Miguel Relvas, que já viu uma moção contra a sua reforma aprovada na Assembleia Municipal de Tomar, por todos os partidos, na sua presença e com o seu único voto contra, devia perceber que chegou ao fim da linha: vale mais sair com dignidade do que ser "corrido"...

Era bom que Relvas se lembrasse do que a nível local aconteceu, já por duas vezes, a Presidentes de Camara, um dos quais há bem poucos meses atrás...

E o relógio não pára. Já está a fazer tique, taque...