Vamos por aqui

...a cidade Templária... in hoc signo vinces

ADVERTÊNCIA: Este blogue NÃO é um instrumento de comunicação oficial ou sequer oficioso do PS, do Município de Tomar, de qualquer outra organização ou pessoa --- Este blogue teve mais de 38 mil visitas desde janeiro/2016 (6400 por mês) e 164 mil desde julho/2007

27.6.16

Nova dinâmica comunicacional da Proteção Civil de Tomar

NOTA: Dado o período estival, as atualizações deste Blog passarão a ser apenas de dois em dois dias.
 
 
Depois de ter sido dos primeiros locais a serem dinamizados com um site próprio e com o facebook oficial, no decurso dos anos de 2010-11, desculpem alguns mas foi mesmo durante a vereação socialista do mandato passado por mim coordenada,  a Proteção Civil Municipal de Tomar, está agora mais ativa, num momento em que a presidente da Câmara, Anabela Freitas, assume cada vez mais as àreas operacionais do Município e a eles dando visibilidade.
 
Facebook oficial da Proteção Civil em Tomar.
 
Antigo site da Proteção Civil em Tomar.
 
As notícias mais recentes são relativas ao balanço de atividade semanal da proteção civil, retomando um bom hábito que havia sido iniciado, ainda que de forma limitada, em 2011 e aquelas que à Equipa relativa às estruturas colapsadas (BREC), dos nossos Bombeiros Municipais e à nova recruta em curso, que é a primeira depois daquela que foi também iniciada em 2011.
 
Um bom exemplo de comunicação e de trabalho organizado e estratégico.
 
Equipa BREC, dos Bombeiros Municipais de Tomar, que este Domingo estiveram em treino na antiga Cerâmica da Portela
A dúzia de recrutas dos Municipais de Tomar, também este Domingo em formação e treino
 

25.6.16

Grandella - o Maçon das obras sociais e comerciante

De seu nome Francisco de Almeida Grandella, nasceu em 1853, na vila ribatejana de Aveiras-de-cima, filho do médico Francisco Maria de Almeida Grandella.
Armazens Grandella - Lisboa
Aos 11 anos teve de interromper os estudos e demandar a Lisboa onde foi marçano numa loja da Rua dos Fanqueiros, tendo criado em 1881, a Loja do Povo e, mais tarde, os Armazéns Grandella, inspirados nos então famosos Armazéns Printemps, de Paris, os quais conheceram assinalável prosperidade, até que em 1988 arderam no célebre Incêndio do Chiado, 54 anos após a morte do fundador.
Foi um dos primeiros entusiastas do dia de descanso semanal - que então não existia em Portugal, tendo nesse sentido fundado o Jornal "O Domingo" e mais tarde o jornal "Federação Comercial".
Depois de estabelecido no ramo comercial, fundou diversas fábricas de móveis e de têxteis, tendo sido ainda um dos fundadores do Teatro dos Condes e do então célebre clube dos Makavenkos, que mais não era do que um clube secreto de polígamos, em que decerto as orgias romanas serviam de inspiração, mas onde se preparou a estratégia final de derrube da Monarquia Portuguesa.
Bairro Grandella - S.Domingos Benfica
Em Benfica fundou um Bairro Social, para os seus trabalhadores - ainda hoje existente, onde havia creche e escola primária que, para os Maçons e para os Republicanos, o investimento na aprendizagem era e é essencial, para espalhar as verdades que apreendem nos ritos que professam.
Escola Primária de Aveiras de cima
Mas a primeira Escola Primária, das cinco que mandou construir, foi em 1906 sobre a antiga casa paterna, em Aveiras, desde o início criada como escola mista e gratuita, tendo funcionado aí o ensino primário, até 1992, onde ainda hoje impressiona pela arquitetura neo-clássica, de verdadeiro Templo do saber, onde os aprendizes se fazem companheiros...
Republicano, maçon e carbonário, amigo íntimo de Afonso Costa, integrou a comissão de resistência da maçonaria, que teve um papel crucial na preparação do 5 de outubro de 1910 e que era constituída por Miguel Bombarda, Machado dos Santos, pelo próprio Grandella, José Júnior e José Simões Raposo.
Escola primária de Alcoentre
Toda a obra social que financiou doou, em vida, ao Estado, tendo falecido no seu Palacete da Foz do Arelho já em plena ditadura (em 1934).
Palacete Grandella na Foz do Arelho (hoje INATEL)

24.6.16

Reino Unido quer o seu País de volta e nós Europeus, queremos a Europa de volta?

O Reino Unido decidiu, por 51,9% contra 48,1%, sair da União Europeia, num processo que poderá demorar cerca de dois anos a concretizar-se.
 
Além das consequências imediatas, com a natural queda das Bolsas Mundiais, a começar pelas europeias (Londres incluída), da desvalorização acelarada da Libra estrelina (moeda usada no Reino Unido), face a todas as moedas de referência incluindo o Euro e deste face ao Dólar, um verdadeiro Tsunami político se espera para os próximos tempos por toda a Europa, a começar pelo próprio Reino Unido.
 
Deste logo, este não é mais do que um episódio expectável de uma Europa à deriva, sem estratégia que interesse aos cidadãos, que se excluiu de uma atuação concertada na defesa das suas vidas e dos seus interesses: só a finanças e os "grandes negócios" parecem interessar aos, auto indigitados poderes, não escrutinados, não eleios, não reconhecidos, dos cidadãos europeus.
 
Os ingleses e os galeses votaram pela saída, especialmente os dos escalões etários mais elevados, enquanto os mais jovens, os irlandeses do norte e os escoceses optaram por votar maioritariamente para ficar na UE. Isto vai afetar a política interna do próprio Reino Unido, podendo levar a um novo referendo na quse soberana Escócia, para se desligar formalmente do Reino Unido e se manter na UE, como Estado independente. Já a situação da Irlanda do Norte, de maioria protestante, dado o problema da "guerra" sempre latente entre católicos e protestantes terá um dilema complicado para se "fundir" com a católica Republica da Irlanda.
 
Quanto aos restantes 27 Paises da UE que restam, o panorama não é animador dado que já se levantam vozes a pedir referendos em França, na Holanda, na Suécia e não tarda noutros paises, através dos respetivos movimentos e partidos populistas e nacionalistas. E vão ter quem os escute, uma vez que há um cada vez maior descontentamento popular em relação às decisões, ingerências e prepotência de funcionários europeus, com intervenções técnicas, quando o que são precisas são intervenções políticas. Este não é aliás um problema único na Europa, pois que se observa cada vez mais a niveis de poder como são as autarquias por exemplo, onde muitas das vezes os políticos em lugar de conduzirem as organizações, são por estas conduzidas...
 
Com eleições na Espanha no Domingo, onde a onda de choque vai obrigar o povo espanhol a uma forte "ginada" à direita e aos nacionalismos/regionalismos, com Marine Le Pen a caminho de ser consagrada Presidente da Republica Francesa e o movimento populista de Pepe Grilo, que recentemente conquistou a capital Italiana Roma, além da simbólica cidade de Turim, em vias de se tornar liderante na Itália, com a quase eleição do lider da extrema direita austríaca para Presidente desta República de referência na História Europeia, depois dos nacionalistas Hungaros estarem há anos no poder nesse País, está visto que o caldo só pode entornar, se nada de substancial for feito e muito rapidamente. [O que duvido que venha a ser feito, muito sinceramente]
 
Se pensarmos que dentro de pouco tempo podemos ter Trump como Presidente Americano, com o mesmo tipo de abordagem, está visto que a Guerra, sob a qual vivemos há já alguns anos, se vai intensificar.
 
Sobre os Portugueses que vivem no Reino Unido e dos desafios que se lhes (nos) colocam, convido a lerem um interessante artigo sobre o assunto.
 
 

23.6.16

Tomar pede "redução" de portagens para Coimbra, na A13

Depois da Assembleia Municipal de Tomar ter na sua sessão ordinária de Abril, abordado e ter aprovado Moções no sentido de "sensibilizar" o Governo para uma eventual redução do preço das Portagens na A13 que liga a A23 na Atalaia a Coimbra.

Esta ligação é tanto mais importante quanto a cada vez maior liberdade de escolha e acesso aos Hospitais, irá permitir que cada vez mais residentes de Tomar acedam aos serviços  da "Capital da Saúde" em Portugal, Coimbra, em melhores e mais seguras condições.

Foi esta a deliberação tomada pela Câmara Municipal:

auto-estrada A13, ex-IC3, convertido no âmbito da subconcessão do Pinhal Interior, tem cerca de 100 quilómetros de extensão, interligando a A23 na Atalaia, o IC9 em Tomar, o IC8 em Ansião, a A1 em Condeixa e as circulares de Coimbra, constituindo uma via rodoviária de grande importância para o interior do país e para o Concelho de Tomar;

Praticamente todos os lanços da A13 estão sujeitos a portagem, com recurso a sistema exclusivamente eletrónico, sem possibilidade de pagamento manual no local, o qual apenas é possível em regime de pós pagamento, constituindo um retrocesso na qualidade de vida das pessoas, em termos sociais, de segurança e de mobilidade;

O valor cobrado em cada lanço ou sublanço é muito elevado, e exagerado, traduzindo-se em prejuízos económicos e financeiros para as empresas e famílias do Concelho de Tomar, e da região, não tendo havido a esperada e desejada descriminação positiva dos residentes;

O escasso tráfego da A13 face ao valor das portagens e, em consequência, a acentuada sobrecarga da EN110/IC3,acarreta degradação dos pavimentos e aumenta os riscos inerentes à travessia de muitas povoações entre Tomar e Condeixa;

Tendo em conta:
- As posições que têm sido assumidas pelos órgãos da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo sobre os constrangimentos para o Médio Tejo resultantes da introdução de portagens na A13 (e também na A23);
As posições que, ao longo dos anos, têm sido tomadas pelos órgãos representativos do Município de Tomar e das suas Freguesias;

E, ainda, que:
A Comissão Interministerial de Coordenação do Acordo de Parceria – CIC Portugal 2020 – aprovou, no dia 1 de julho de 2015, uma alteração da Deliberação relativa à classificação de 164 Municípios de baixa densidade, para efeitos de aplicação de medidas de diferenciação positiva, no âmbito do Portugal 2020, da qual fazem parte os municípios que são atravessados pela A13;
É público que o Governo de Portugal irá rever o custo das portagens associadas a auto-estradas no interior do país; 

A câmara municipal de Tomar, na sua reunião de 6 de junho, deliberou por unanimidade:

1 - Evidenciar as repercussões negativas das portagens na A13  na fixação de pessoas e empresas no Concelho de Tomar, na mobilidade e segurança dos seus residentes e, em consequência, na sustentabilidade e desenvolvimento local, em termos sociais e económicos;

2 -Exigir que a A13 seja incluída nas vias do interior objeto de descontos nas portagens cobradas, para minorar os sacrifícios impostos nestes últimos anos às empresas e às famílias, por via da fixação e manutenção do valor elevado das portagens, e as graves consequências para a coesão social e desenvolvimento económico no interior do país e, em particular, no Concelho de Tomar.

3 - Dar conhecimento desta deliberação ao Sr. Presidente da República, à Assembleia da República (Presidência, Grupos Parlamentares e Comissão Parlamentar das Obras Públicas), ao Governo (Sr. Primeiro Ministro e Sr.Ministro das Obras Públicas), à CIMT, às Câmaras eAssembleias Municipais dos Municípios servidos pela A13 e à ANMP.

22.6.16

Turismo do Centro financia investimentos de Turismo em Tomar até 2019

O Turismo do Centro, no âmbito dos financiamentos Portugal2020, tem já aprovados três pacotes de investimento no Turismo, assim divididos:
 
2 milhões€ para os Lugares Património Mundial do Centro, onde se insere Tomar, Batalha, Alcobaça e Coimbra;
 
10 milhões€ para os Produtos Turísticos de base Inter-Municipal, a serem promovidos por exemplo pelo Médio Tejo;
 
3 milhões€ para a promoção e comunicação, dentro do Plano de Marketing definido.
Porta do Sangue, do Castelo Templário de Tomar, por onde se fazia o acesso entre a "vila de baixo" e a "vila de cima"
 
Tomar receberá destes investimentos, comparticipações para dois ciclos de aposta, a desenrolar em 2016-17 (Ação) e em 2018-19 (Celebração).
 
Para a Ação, no que a Tomar diz respeito, será financiada a Festa Templária de 2016, o Festival de Música e Património (2016/17), a sinalética para o Castelo Templário/Convento de Cristo numa perspetiva inovadora (2016) e o Festival de Luz e Som, a realizar em junho de 2017.
 
Em 2017 estão ainda previstas as obras de adaptação da Torre da Condessa, para garantir o acesso ao Castelo a partir da Mata dos 7Montes.
 
[De recordar que desde o QCA3, em 2008, depois do investimento realizado 8e pago pelo Município) na requalificação do caminho pedonal de acesso entre a "Vila de Baixo", a Cidade, à "Vila de Cima", na Torre da Condessa, que se tem aguardado que o IGESPAR, depois DGPC, responsável pela gestão do Castelo Templário, desenvolvesse as ações necessárias à concretização do acesso. Assim finalmente, iremos ter lá para 2018-19 um acesso ao Castelo aberto e em funcionamento, através da Mata Nacional dos Sete Montes]











Carta nº15 de Luis Ferreira - 19 de junho de 2016

Artigos + lidos, nos últimos 30 dias