Tivemos 97.798 leitores em 2016 e 99.854 em 11 meses de 2017 e mais de 327 mil desde julho/2010 (3,6mil por mês, durante mais de sete anos)

27.12.12

Escolher o que é diferente

Desde que ficou conhecido o caminho trilhado pelo PS, na assumção do seu mais do que expetável apoio à candidatura de Anabela Freitas à Presidência da Câmara de Tomar, para aí desde há mais de um ano, que o contínuo agitar de águas nos meios políticos em Tomar tem urdido a sua teia, como é hábito, na tentativa de manter todo o status-quo.

Há quem se tenha convencido que basta escrever umas palavras bonitas, neste ou naquele forúm, colocar aqui e acolá "faladura", com ares de douto tribuno, para poder ser alcandorado a esta ou aquela posição.

Ora é disto que Tomar está farto e cheio: de conversa inconsequente e de umbigos que por mais do que observados não passam disso mesmo, de umbigos.
E é preciso mudar isto! Decididamente.
 
Somos há quinze anos governados por sucessivas vagas de conversa mole, de afagamentos de egos, de auto-convencidos "grandes timoneiros", os quais nos conduziram aqui. E, onde é o aqui? Cada um de nós tem a resposta: a nossa terra marca passo, acantonada no emprego publico, protegido pelo
orçamento de Estado, cada vez mais minguado. O medo alastra e o salve-se quem puder é a palavra de ordem, num tempo que avança e inexoravelmente é implacável com os que não evoluem.

Tomar é hoje uma sombra do que era há dez, vinte, trinta anos atrás. Perdemos dinâmica, importância, ânimo. E a culpa, por mais que alguns queiram dizer que é de cada um dos eleitores, é dos lideres que, com honestidade, os eleitores têm escolhido.

Temos sido crédulos, apostado sempre na mesma via. Está na hora de mudarmos!
Está na altura de obrigarmos aqueles que elegemos a mostrarem os resultados.

Onde estão os milhares de empregos para nós e para os nossos filhos, que o parque temático, que o gabinete de apoio ao investidor nos iam trazer?
Onde estão os apoios, desburocratizados, para a instalação de empresas, para a facilitação dos pequenos estabelecimentos comerciais que vemos, por exemplo, nas cidades vizinhas de Ourém, Torres Novas ou Abrantes?
Onde está o, há 15 anos prometido, novo PDM, que não nos obrigue a comprar casa cara na Cidade de Tomar ou, em alternativa, em a ir comprar a preços acessíveis em Ferreira do Zêzere ou no Entroncamento?

Onde está uma politica de incentivo ao nosso desporto ou à nossa cultura, que valorize o enorme potencial que, quer num, quer noutro aspecto temos há décadas em Tomar?

Tirando as obras, necessárias de requalificação de partes substanciais da nossa urbe, mas que não cuidamos de definir projeto de viabilização ou de utilização, servem entretanto para quê?

Promovenos Tomar onde e para quê? Veio mais gente? Quando e porquê?
Quanto ganhou Tomar com isso?
 
 
 
Recomendo a leitura de algumas pistas para uma mudança: http://pstomar.blogspot.pt/2012/12/anabela-freitas-em-discurso-direto.html

24.12.12

Crónica de Natal na Hertz

A minha última nota do dia, na Rádio Hertz, de 22 de Dezembro, pode ser lida no blogue coletivo http://esquerdocapitulo.blogspot.com

A próxima nota do dia será no Sábado, dia 5 de Janeiro, a seguir aos noticiários das 13H, 17H e 19H.

http://esquerdocapitulo.blogspot.pt/2012/12/ensinar-pescar-e-nao-dar-o-peixe.html

Feliz Natal a todos!

19.12.12

Confiança e caminho...

Num momento de grande incerteza, de dificuldades imensas, Tomar aproxima-se do final de mais um ano, sem qualquer luz ao fundo do tunel.
 
Já nem me refiro às ilegalidades cometidas na aprovação de um empréstimo por 14 anos, que precisasva de 19 votos a favor e apenas teve 15, na Assembleia Municipal.
Nem sequer falo de inúmeras deliberações, umas mais relevantes que outras, aprovadas por unanimidade ou maioria e que não são cumpridas (a título de exemplo):
- Reposição dos Jornais para leitura na Biblioteca Municipal; HÁ 4 MESES!
- Financiamento das Freguesias, através de protocolos legais e não pela ilegalidade do financiamento que há 15 anos é realizado; HÁ 6 MESES!
- Sistema de recolha e limpeza dos sacos de plástico no mercado das roupas à Sexta-feira; HÁ UM ANO!
- Concurso para venda ou cedência, tendo em vista a reconversão do ex-Convento de Santa Iria e ex-Colégio Feminino; HÁ UM ANO!
- Inicio de recuperação de escolas desativadas e criação de Nucleos de Alojamento Temporário, para situações de emergência social, entre as quais se destaca a resolução do acampamento cigano do Flecheiro; HÁ MAIS DE UM ANO!
- Obras de emergência no Mercado Municipal; HÁ QUASE TRÊS ANOS!
(...)
 
Sem luz ao fundo do tunel, num PSD que se arrasta inexoravelmente e numa decadência triste e penitente, onde a confiança política nos seus três representantes na autarquia é já uma miragem, após a rotunda derrota de Carrão no PSD (local), onde a anedota última de um comunicado "contra" uma sondagem que o PSD (Nacional) encomendou, mas que o PSD (local) negou é apenas mais um episódio.
 
A somar a tudo isso a luta sem quartel entre os independentes (A), os independentes (B) e os independentes (C), um acantonado no executivo, outros num conhecido café da cidade e outro algures sob a proteção de ares mais "serranos", augurando um final feliz a esta aventura de excluídos e auto-excluídos do sistema político.
 
Ausência de crescimento económico, de novas empresas, de aumento dos negócios, ora fruto de uma política louca, que apenas quer cobrar impostos, onde o aumento de 10% do IVA sobre toda a restauração, em local de turismo como Tomar, tem um impacto importante; ora fruto de um continuar desrespeito pelos investidores por parte da autarquia, onde à burocracia habitual, se soma uma insensibilidade atroz por parte da minoria governante, na gestão e acompanhamento dos processos de investimento. Onde anda o tão prometido gabinete de apoio ao investidor (em 1997)!?
 
Sem luz ao fundo do tunel, vimos desaparecerem valências Hospitalares, trabalhos e empregos localizados em Tomar. Uma urgência (real) a 40 Km, algures a caminho do alentejo e o Presidente da Câmara 8 MESES, há espera de ser recebido pelo Ministério(!), quando ambos até são do mesmo Partido.
 
Sem luz!
Mas com a extinção de 10 das nossas 16 Freguesias, onde até hoje não sabemos quais as Freguesias que o PSD (local) queria extinguir, dizem que para poupar uns trocados em Presidentes  de Junta que fanham 200€/mês, mas entretanto lá aprovaram a semana passada, o PSD (nacional), mais 80 novos lugares de nomeação para as Comunidades IntermUnicipais, a chorudos 3.500€/Mês.
 
Sem...
Paciência para uma sociedade que não se revolta, que não exige o que é seu e que tolera, com um indeferente encolher de ombros, perante a sua destruição. Há 80 anos, algures para lá do Reno, também se fez isso e o resultado foram milhões de mortos.
 
Não será melhor ligar a luz?
 
(Preguntarão que tem o título de relação com o escrito. Pois...)

16.12.12

Desemprego continua em alta em Tomar

O concelho de Tomar registou um aumento no número de desempregados em Setembro comparativamente aos dados disponíveis de Agosto. Ou seja, em apenas um mês, mais 45 pessoas ficaram sem trabalho, num total de 2625, um valor só suplantado por Santarém, com 3649, e Abrantes, com 3178. Ainda no que diz respeito às contas nabantinas, é importante referir que o número engloba desempregados e ainda as pessoas com planos ocupacionais.


Sem estas últimas, o valor situa-se em 2126 (981 homens, 1145 mulheres). No entanto, tendo por base as duas contabilidades, Tomar não sai deste pódio preocupante e a tendência será mesmo para subir face às dificuldades que estão no horizonte de algumas empresas do concelho. Golegã (272), Constância (298) e Sardoal (317) são os que menos desempregados apresentam em Setembro. Importa sublinhar que os números apresentados dizem apenas respeito aos inscritos nos Centros de Emprego.
 
Há apenas 4 anos, o Concelho de Tomar, tinha pouco mais do que 1.000 desempregados.
 
As políticas conjugadas do Município (PSD) e do Governo (PSD/CDS), levam à destruição média de mais de 20 empregos por mês, num Concelho que vê perder ainda, cerca de 500 habitantes por ano.
 
Assim, não há futuro possivel...
É preciso inverter este ciclo.

14.12.12

Anabela Freitas defende empresas e famílias prejudicadas pela A13

http://pstomar.blogspot.pt/2012/12/pergunta-ao-ministerio-da-economia-e-do.html

Lisboa, 14 dez (Lusa) – O PS defendeu numa pergunta enviada ao Governo que as famílias e as empresas das zonas abrangidas pela A13, onde começaram a ser cobradas portagens em novembro de 2011, deviam ter descontos na utilização daquela autoestrada.
 
Na pergunta dirigida ao Ministério da Economia, a deputada Anabela Freitas defende que a A13 é “um eixo estruturante para o concelho de Tomar e para a região do Médio Tejo, ligando a cidade de Tomar à A23 no nó da Atalaia (concelho de Vila Nova da Barquinha), permitindo a partir desse local a ligação a Lisboa, via A1”.
 
Apesar de ter apenas seis quilómetros, a deputada socialista frisou que aquela autoestrada é “fundamental para a região”.
 
Anabela Freitas lembrou ainda que o Provedor de Justiça considerou que as portagens “estavam feridas de ilegalidade, atendendo à não divulgação pública antecipada do início de cobrança de portagens, assim como do respetivo regime de isenção”.
 
“O Sr. Provedor de Justiça repudiou a forma como foram introduzidas as portagens na referida autoestrada e aconselhou os cidadãos a recorrerem aos órgãos jurisdicionais, para provar a ineficácia do ato administrativo”, acrescentou.
 
Por tudo isso, a deputada quer saber que medidas foram tomadas para resolver a questão colocada pelo Provedor de Justiça e que medidas de discriminação positiva pensa o Governo tomar para apoiar as famílias e empresas desta zona.
MCL
Lusa/fim

8.12.12

Tornado e solidariedade, dois anos depois

Há dois anos Tomar estava em alerta vermelho.
Havíamos sofrido o atravessamento de um Tornado (F3).
Foi a 7 de Dezembro de 2010, pelas 14H30.

É altura de começar a falar claro, sobre o que se passou e o que se poderia e deveria ter passado.

A começar pela crónica de hoje na Rádio Hertz (nota do dia quinzenal, sendo a próxima no Sábado dia 22 de Dezembro). É que à força de ouvir e ler tanto disparate nos últimos dois anos, convém que se vá sabendo a verdade sobre os momentos do nosso passado recente...

A ler com atenção no blogue coletivo http://esquerdocapitulo.blogspot.com


Luis Ferreira, vereador da proteção civil, acompanhado pelo comandante dos bombeiros de Tomar, Engª Ana Andrade da proteção civil municipal e Engº Leonel Graça do gabinete da vereação, na apresentação do balanço operacional de 2010 (Foto Rádio Hertz) 



7.12.12

Parabéns a Mário Soares


Mário Soares, em 1973, entre o grupo de fundadores do PS


Mário Alberto Nobre Lopes Soares nasceu a 7 de Dezembro de 1924.

Completa hoje 88 anos.

É a grande referencia da democracia Portuguesa, da via europeia de Portugal e um libertário que soube assumir o poder, sem perder o realismo por um lado e o sonho pelo outro.

Já não se "fazem" Homens assim.
Obrigado Mestre!

2.12.12

Foral de Tomar foi há 850 anos

Em 1162, Dom Gualdim Pais daria o primeiro foral a Thomar, depois de alguns anos antes aqui ter decidido inplantar uma defesa contra as investidas dos almorávias (árabes do norte de África) que ajudavam os reinos taifas (de religião muçulmana) da península ibérica.

A época era de enorme intolerância religiosa e a Ordem dos Templários, de que Gualdim Pais era o seu terceiro ou quinto Mestre na Península procurava desesperadamente garantir a defesa da "linha do Tejo", onde o local de Thomar se inseria.


Eis uma tradução para Português comtemporâneo desse esquecido Foral de 1162:

Em nome de Deus. Amen. Eu, mestre Gualdim, juntamente com os meus freires, freires do Templo de Salomão, persistentes na fé, aprouve-nos conceder a vós, moradores em Tomar, grandes e pequenos, de qualquer ordem que sejais, e aos vossos filhos e descendentes, uma carta de garantia do direito das vossas herdades, que aí povoais, e de foro e serviço.

[1º] Primeiro, que nunca nos façais seara.

[2º] E que não deis ao zaga, da presa de fossado, senão duas partes, ficando duas para vós.

[3º] E de azaria e de qualquer cavalgada em que não for o rei, que fique para nós a quinta parte e para vós as quatro partes, sem qualquer alcaidaria.

[4º] Se algum cavaleiro comprar uma vinha a um tributário, que aquela fique isenta.

[5º] E se receber em casamento uma mulher de tributário, todas as herdades que esta possuir sejam isentas.

[6º] E se o tributário puder ser cavaleiro, aplique-se-lhe o foro dos cavaleiros.

[7º] Os cavaleiros tenham as suas herdades isentas.

[8º] E se algum dos cavaleiros envelhecer e não puder combater a cavalo, mantenha, enquanto viver, a honra dos cavaleiros.

[9º] E se o cavaleiro falecer e sua mulher sobreviver, que seja honrada como em vida de seu marido.

[10º] E que ninguém case com ela, ou com a filha de outro qualquer, sem consentimento daquela e dos seus parentes.

[11º] Que o saião não vá penhorar a casa de alguém.

[12º] E se alguém fizer algo ilícito venham ao concilium e seja julgado em conformidade com o direito.

[13º] E que os vossos juiz e alcaide sejam designados sem ofreção.

[14º] Os clérigos de Tomar tenham em tudo a honra dos cavaleiros, nas vinhas, nas terras e nas casas.

[15º] E se morrer o cavalo a algum cavaleiro e ele não puder comprar outro, dar-lho-emos nós.

[16º] E se lho não dermos, mantenha-se honrado até que possa adquiri-lo.

[17º] O infanção, ou qualquer outro homem, não tenha em Tomar casa ou herdade, a não ser que queira habitar connosco e servir como qualquer um de vós.

[18º] Nas azenhas, não deis mais que a décimo quarta parte, sem ofreção.

[19º] Os peões dêem de ratio o mesmo que costumam dar os peões de Coimbra, por quarteiro de dezasseis alqueires, sem braço posto e sem tábua.

[20º] De vinho e de linho dêem a oitava parte.

[21º] E de madeira que tragam para vender dêem a oitava parte,

[22º] De lagarádiga, dêem um almude quando o vinho for inferior a cinco quinais; se for superior, dêem [mais] uma quarta, sem ofreção e jantar.

[23º] Nenhum cavaleiro estranho entre em casa de alguém, sem permissão do dono da casa.

[24º] E se algum lavrador tiver uma iviçom não faça foro a ninguém com ela.

[25º] Os almocreves façam um serviço por ano.

[26º] E entre vós não exista nenhuma manaria.

[27º] E se algum de vós quiser transferir-se para outro domínio ou para outra terra, possa dar ou vender a sua herdade a quem quiser, para que nela habite e seja nosso homem, como qualquer um de vós.

[28º] As atalaias ponhamo-las nós metade do ano, e vós a outra metade.

[29º] Não deis portádigo, nem alcavala, nem víveres aos guardas da cidade ou da porta.


[30º] Nunca damos Tomar por alcavala a alguém.


Na presença de homens bons e por dádiva de Deus, estatuímos e concedemos este foro e este costume e firmamo-lo perpétua e integralmente, tanto para nós como para os nossos sucessores. Se, pelo contrário, alguém o quiser infringir – e não acreditamos que algum dos nossos sucessores o faça – mestre, freires, ou estranho, seja logo destruído pela cólera de Deus e pereça com o diabo e os seus anjos, infinitamente castigado, a não ser que corrija satisfatória e dignamente as coisas.

Feita a carta de garantia no mês de Novembro da era de mil e duzentos, reinando D. Afonso, rei portucalense, filho do conde Henrique e da rainha Teresa, neto do rei Afonso magno.

Escreveu-a Paio, deão. Pero Pais [da Maia, alferes-mor]. Gonçalo [Mendes] de Sousa [I, o Sousão], dapifer. D. Rodrigo, conde. D. Ticion, alcaide de Coimbra. D. Guian, alcaide de Santarém.
(fonte: Casa de Sarmento)