Tivemos cerca de 85mil visitas desde janeiro/2016 - 7600/mês e mais de 212 mil desde julho/2007

27.6.12

Esperancinha assume que não está a cumprir o Despacho do Governo em relação às Urgências do Médio Tejo

Ontem houve reunião conjunta entre a Câmara Municipal, a Comissão de Saúde da Assembleia Municipal, com o Presidente do CA do Centro Hospitalar do Médio Tejo, no edifício do Município de Tomar.

Á reunião apenas faltaram os membros da Comissão da AM representantes do BE e do CDS/PP, por motivos profissionais.

A reunião teve óbvios pontos de interesse, os quais vão dar para vários posts ao longo das próximas semanas, mas hoje apenas trago um dos assuntos, por mim perguntado e respondido, pelo gestor fabril que o Governo PSD/CDS nomeou para gerir o CHMT e que promoveu em poucos meses, entre outras, a retirada de valências do Hospital de Tomar, a redução de funcionários e capacidade instalada no Hospital de Tomar e o desaparecimento das Urgências do Hospital de Tomar...

Tive oportunidade de colocar ao nomeado político quatro questões, sendo que a primeira foi: "como interpreta o Sr.Presidente do CA do CHMT, o que está descrito na definição do 'ponto de rede' nº71 e 72, como tal designado no Despacho do Sr.Ministro da Saúde, de 2008, onde os Hospitais de Torres Novas e Tomar, são definidos como sendo SUB5 - em estreita articulação com as valências existentes. Isto porque tem sido por si afirmado e consta nos documentos distribuidos na sua Conferência de Imprensa de 21/6/2012, como sendo uma das base da  reorganização em curso, o cumprimento do Despacho 5414/2008."

A resposta do nomeado do Governo PSD/CDS, para a destruição do Serviço Nacional de Saúde, a nível dos cuidados de saúde no médio tejo, foi pronta: "Nós ignorámos a definição SUB5. Nós ignorámos o 5 e aplicámos apenas o SUB"!

Bonito. Assumindo ter como primeira prioridade o cmprimento do Despacho de Correia de Campos, perguntado se o estava a cumprir e como o interpretava, responde que ignorou a definição legalmente instituidas, que obrigava a que AS URGÊNCIAS ESTIVESSEM ARTICULADAS com as VALÊNCIAS PRÉ-EXISTENTES EM CADA UMA DAS UNIDADES HOSPITALARES DO MÉDIO TEJO.

De fato, é curioso que seja possivel hoje em Portugal um gestor público procurar ludribiar de forma tão DESAVERGONHADA a opinião pública. Em conclusão: este Conselho de Administração, a mando do Governo PSD/CDS, não só não está a cumprir o Despacho 5141/2008 como afirma, como está ainda a utilizar o referido despacho, apenas para o que lhes convém, com o objetivo claro de APENAS poupar dinheiro, reduzindo os serviços de saúde às populações.

É uma lata descomunal. E assim se destroi o Serviço Nacional de Saúde!



P.S.:
- O despacho 5414/2008, pode ser lido aqui;
- Mais informações prestadas à Rádio Hertz (FM92 e FM98), noticiários das 11H00 e das 13H00 de hoje.



Sem comentários: