Tivemos cerca de 85mil visitas desde janeiro/2016 - 7600/mês e mais de 212 mil desde julho/2007

18.6.12

É possivel Turismo com Monumentos fechados?

Esta foto foi tirada no Sábado dia 16 de Junho de 2012, pelas 13H30 e para quem não saiba é da Capela de Santa Iria, um dos patrimónios classificados existentes na turística Cidade de Tomar.
É um dos 10 Monumentos, entre públicos e privados, que durante anos foram responsabilidade da autarquia, assegurar a sua visitação, sob coordenação dos serviços de museologia.
Mas, infelizmente para todos os turistas que nos visitam e, nota-se que são muitos, este e outros monumentos da cidade têm estado encerrados, todo o dia a maior parte deles, até há meses todos à hora do almoço e durante o último ano, cada vez mais inopinadamente, do tipo 'quando calhava'.

Ora a indústria turística não se compadece com 'humores' das administrações autárquicas, ou dos protocolos que esta não cumpre ou não faz cumprir com os seus parceiros, neste caso o Centro de Estudos e Património do Instituto Politécnico de Tomar. A indústria turística exige ESTABILIDADE, continuídade de horários e CONFIANÇA.

Ora neste particular, a Cidade de Tomar, pura e simplesmente NÃO FUNCIONA, sendo cada vez mais os operadores turísticos a queixarem-se que visitar o que quer que seja nesta Cidade Turística é pura e simplesmente impossível. O Museu dos Fósforos está quase sempre fechado, quase só abrindo pela disponibilidade da voluntária filha de Aquiles da Mota Lima, de quem é o legado da coleção visitável. O mesmo acontece com o legado "Museu Abrãao Zacuto"/Sinagoga de Tomar, cuja visitação é assegurada quase em exclusivo pelo casal Luis e Teresa Vasco, há anos. Em tal rol, se encontra também a Igreja de S.Francisco, pelo esforço de um par de voluntários da Ordem Terceira de S.Francisco.

Uma industria turística, na segunda década do Sec.XXI, não se pode basear, apenas no voluntarismo de três ou quatro pessoas, cuja ligação ética e afetiva aos legados as leva a dar o seu melhor, mas não desculpam a IRRESPONSABILIDADE dos gestores autárquicos, que têm nome. Têm nome e deviam ter vergonha de terem os Monumentos da Cidade fechados.

Durante 2010, enquanto responsável do Município pelo Turismo, Museus e Cultura, consegui garantir que todos os Monumentos estavam visitáveis, no horário das 10H00 às 17H00 (Inverno) ou até às 19H00 (no Verão), sem interrupções à hora do Almoço, todos os dias de Terça-feira a Domingo (exceptuando às horas das missas). Garanti ainda que às 2ªFeiras era ainda possivel, por marcação, visitar qualquer dos monumentos da cidade. Estava ainda em preparação, através de trabalho conjugado com a Direção do Convento de Cristo, da Ermida da Sra da Conceição e da Capela de S.Gregório, bloqueada que estava, como sabemos, por uma ocupação de anos de um sem abrigo.

Nesse ano (2010) estiveram SEMPRE visitáveis os seguintes sítios/monumentos, com horário das 10H-17H(19H): Postos de Turismo (Mata e Vieira Guimarães), Casa dos Cubos, Casa-museu Lopes Graça, Coleção visitável de Aquiles da Mota Lima (Museu dos Fósforos), Igreja da Misericórdia, Igreja de S.Francisco, Galeria dos Paços do Concelho, Núcleo de Arte Contemporânea do Museu Municipal João de Castilho, Igreja de S.João Batista, Capela de Santa Iria e Igreja de Santa Maria dos Olivais.

Para que tal fosse possível, a articulação e gestão de proximidade realizada, com os parceiros privados e associativos foi essencial, como essencial foi a motivação de todos os colaboradores da autarquia, a definição de uma estratégia e exigência na sua implementação e o esforço e dedicação de estagiários e desempregados em programas ocupacionais. Permitam-se a imodéstia, só possivel quando se está seguro do que se afirma e o tempo demonstrou a razão da estratégia encetada: o caminho é MESMO por aí! Porque não o trilham? Não sabem ou não querem? São totalmente incomptentes ou 'apenas' displicentes?

A continuarmos assim, dificilmente conseguiremos convencer alguém de que queremos ter (sabe Deus quando), uma Cidade Turística. Sem Indústria, sem Hospital, sem Quartel, com menos Escolas, menos Comércio, menos população, o que fazemos? Fugimos? Não!
Há outro caminho!

Sem comentários: