Tivemos cerca de 85mil visitas desde janeiro/2016 - 7600/mês e mais de 212 mil desde julho/2007

6.6.16

Depois da sensibilização de 2014, pilaretes chegam finalmente à Praça da República

Foi no decurso do verão de 2014 que o Município em conjunto com a junta de freguesia urbana, fez uma campanha de sensibilização para o estacionamento abusivo, especialmente no Centro Histórico.
 
Ao tempo implementou-se um novo regulamento do estacionamento nos parques cobertos, por detrás do edifício da Câmara e do pavilhão municipal Cidade de Tomar, que normalizou os preços nos dois parques, os quais tiveram uma diminuição global, com a introdução da primeira meia hora grátis. Com a contribuição da PSP, assegurou-se que a partir de 1 de setembro de 2014, a tolerância para o estacionamento abusivo, especialmente no centro histórico, seria ZERO.
 
Passados quase dois anos era já evidente que deixar ao livre arbítrio dos automobilistas, o cumprimento das mais elementares normas de respeito, quer pelo património, quer pela segurança civil, seria um equívoco.
Já na preparação da Festa dos Tabuleiros em 2015, isso era evidente e deveria ter sido na altura implementado: a colocação de pilaretes na Praça da República, impedindo o estacionamento de viaturas nos passeios.
 
Outros locais do centro histórico necessitam deste reforço, sendo disso exemplo diversas ruas que apesar de estreitas, há ainda quem nelas estacione as suas viaturas, tornando impossível a passagem de uma ambulância, de um carro de bombeiros, agravando assim o risco se qualquer ocorrência mais complexa, obrigar à intervenção de um desses meios.
 
Pilaretes finalmente colocados na Praça da República

Com o regulamento em vigor desde 2014, os residentes e os comerciantes têm acesso a preços baixos, a avenças para estacionamento nos parques cobertos, até ao limite de 75% da sua capacidade de ocupação, pelo que não há qualquer razão para que tantas viaturas continuem ainda a estacionar nas ruas estreitas da traça henriquina do nosso Centro Histórico.


As cidades são para as pessoas, não para os veículos.
 
E, no fundo, todos sabemos disso e quando visitamos outros locais do país ou do estrangeiro, constatamos que em todas as cidades, dignas desse nome, há zonas perfeitamente salvaguardadas do estacionamento abusivo e com parques pagos.

Sem comentários: