Tivemos cerca de 85mil visitas desde janeiro/2016 - 7600/mês e mais de 212 mil desde julho/2007

13.7.16

FATURA DA AGUA EM TOMAR É AINDA ELEVADA, MAS BAIXOU NOS ULTIMOS ANOS

Os Serviços Municipalizados de Águas e Saneamento (SMAS) de Tomar, há uns dias lançaram o seguinte esclarecimento, que se impõe recuperar:
 
COMUNICADO
Estando a circular nas redes sociais uma informação que não corresponde à verdade, relativa à comparação do custo da água entre municípios, ao afirmar que Tomar está no grupo dos municípios com água mais cara, cumpre-nos prestar o seguinte esclarecimento público:
 
- Esta informação tem por base a divulgação de um estudo comparativo sobre o assunto, baseado num estudo realizado pela DECO e enquadrado no benchmarking  (processo contínuo e sistemático que permite a comparação das performances das organizações) efetuado pela ERSAR e estendido a todo o território nacional, mas ainda só atualizado até ao ano de 2014.
Quadro resumo apresentado pelo Estudo da DECO
 
Nesse sentido, consideramos que:
– Só tem comparação aquilo que realmente pode ser comparado, ou seja, um estudo só pode ter padrões de comparação se as realidades forem semelhantes;
 
– Pelo contrário, os concelhos que, no estudo utilizado pela referida informação, serviram de bitola de comparação com os SMAS de Tomar, não são comparáveis com a nossa realidade.
 
– Assim, baseados no mesmo estudo da DECO e fazendo um estudo de comparação com algumas Entidades Gestoras que, dentro de uma mesma realidade, poderão ser comparadas com estes SMAS (abastecimento de água e saneamento de águas residuais fornecidos pela mesma empresa em alta – Águas de Lisboa e Vale do Tejo S.A.), chegamos a resultados completamente diferentes, sistematizados no quadro seguinte:


Terminada a exposição do comunicado, impõe-se ainda outra avaliação, a qual só pode ter como enquadramento o mesmo estudo da DECO.

Ou seja, sendo elevado o preço da fatura da água - que inclui, volta-se a referir as componentes de consumo de água, de saneamento básico e de recolha de resíduos sólidos, o mesmo teve uma redução a partir de 2015, fruto da aplicação e novos tarifários, realizados pela gestão socialista dos SMAS. Ou seja, em conclusão:

- No quadro dos Concelhos servidos pela entidade Aguas de Lisboa e Vale do Tejo, o preço da fatura em Tomar é a segunda menor;

- No quadro dos Concelhos de dimensão equivalente da região (Ourém, Leiria, Alcobaça, Santarém e Torres Novas), mas servidos por entidades diferentes, o preço da fatura em Tomar está em linha com os Concelhos de Leiria/Alcobaça, mas menor em cerca de 5% e é maior que os restantes em cerca de 10-15%;

- Na análise da evolução dos preços e das políticas sociais de apoio, em Tomar os preços estão a baixar e os apoios sociais a aumentar, ao contrário do que acontece em todos os Concelhos de dimensão equivalente, cujos valores das faturas não param de aumentar.

Ou seja, com a gestão socialista iniciada em outubro de 2013, o problema de PREÇOS ELEVADOS, começou a ser corrigido, com o novo tarifário que entrou em vigor em 2015.

Que há mais para fazer? Sem dúvida que há e haverá cada vez mais soluções técnicas para um pagamento diferenciado, dos resíduos sólidos por exemplo e espaço para colocar as instituições a pagar o justo valor - situação que se iniciou com o novo tarifário de 2015, e aumentar os descontos para famílias numerosas e com baixos recursos.

Se a fatura da água é MUITO ELEVADA, ela deve-se à alteração de tarifário de 2004, implementada pela administração de maioria PSD, que quase duplicou a fatura, do então Presidente Paiva e, a primeira vez que tal começou a ser corrigido foi agora, por isso convenhamos que ESTE É O CAMINHO.

Sem comentários: