Tivemos cerca de 85mil visitas desde janeiro/2016 - 7600/mês e mais de 212 mil desde julho/2007

26.5.16

Vereador comunista sem perfil e com uma gestão deficiente e prepotente

Bruno Graça, vereador eleito pela CDU, tem tido a seu cargo o gabinete de economia local, responsável pela gestão do Mercado Municipal e dos mercados semanais e abastecedor, a Feira de Santa Iria, o Horto Municipal e a Quinta de Marmelais, onde era pressuposto funcionarem as Hortas Urbanas.

Em todas estas áreas conseguimos identificar irresponsabilidade na gestão, graves e que não estranham quem durante anos, acompanhou a forma de lidar com os seus colegas de direção na Gualdim-Pais, dos respetivos trabalhadores e muito especialmente o nepotismo, com que sempre aí atuou.

Hortas Urbanas? Lixo e abandono...

Tomemos como exemplo a Feira de Santa Iria. Desde o primeiro ano (2014), tentou de todas as formas afastar as Associações que garantiam os Restaurantes, aumentando de forma incompreensível os valores a pagar. Só a intervenção dos eleitos do PS, animados do mais elementar bom senso, permitiram evitar que todas as Associação daí desaparecessem. Mesmo assim o ano passado, a Associação de Bombeiros nem sequer participou.  Na animação por exemplo, lá arranjou maneira de propor que a Gauldim-Pais, a que então presidia, pudesse ser compensada em dobro, em relação aos demais que animaram a Feira. E ainda, sobre a Feira de Santa Iria, o ano passado foi notória a pobreza de ocupação e arrumo, com que tudo aquilo funcionou - uma vergonha mesmo!

Defesa dos trabalhadores ausente da atuação do vereador comunista
Na gestão do Mercado Abastecedor - que se realiza há anos sem regulação, competindo assim diretamente com os retalhistas, tudo continua na mesma. As obras do Mercado Municipal, foram o que se sabe, onde todos os meses havia mais uma “invenção” do vereador, o que atrasou quase indefinidamente tudo.

Para ele a culpa de tudo é sempre ou da Presidente, que não lhe dá os meios, ou dos seus colegas de vereação que não se mexem ou defendem políticas erradas, pois só ele é que sabe ou, seguindo a máxima com que era conhecido na Gualdim-Pais, a culpa é sempre dos trabalhadores que são uns malandros…, o que para eleito comunista, não podia ser mais bem achado!

Votou contra o apoio do Município ao Pavilhão da Linhaceira, por inveja...
Como vereador da Saúde, o que fez?

Um vereador sem perfil para a função, arcaico, ineficaz e prepotente que sempre esteve contra a promoção dos trabalhadores do Município - através da conhecidas mobilidades intercarreiras, e que tem pela sua ação, desconhecimento básico das regras da administração pública e prepotência, sido um verdadeiro trambolho na vereação do Município, como há décadas não se via.

Lixo, todas as sextas-feiras, ao fim de anos...
Quanto mais tempo vai permitir o PS esta verdadeira vergonha, a qual começa a afetar gravemente a credibilidade da governação, e de todos os que, honestamente dão o seu melhor em prol de Tomar?
Defendi por isso, no contexto da última Comissão Política Concelhia do PS, realizada em 10 de janeiro deste ano, que o PS deveria repensar, depois de avaliar bem o que estava o Concelho a ganhar com a permanência da CDU na governação municipal, através deste falhanço sem perfil, que tem sido o vereador Bruno Graça.
Esteve contra a valorização profissional dos trabalhadores - nomeadamente nos Bombeiros...
A esperança, criada com a gestão socialista iniciada em outubro de 2013, malgrado o desespero de alguns, funcionou enquanto foi possível, com base numa determinação e condução alicerçada, quer no programa do PS, com alguns contributos da CDU, do BE e muto mais raramente dos independentes e do PSD, quer no esforço constante de vencer as resistências do "sistema" e conseguir implementar uma nova orgânica, a valorização dos trabalhadores, um novo quadro regulamentar, a procura permanente de parcerias locais, regionais e internacionais, fomentando e promovendo a capacidade e o sonho de Tomar.
Esteve contra, por inveja, à internacionalização Templária (aqui delegação oficial em Monzon 2015)
Mas será que, para dar continuidade a esse, que foi a marca determinante dos dois primeiros anos de gestão, até quase ao final de 2015, é mesmo preciso, ou sequer tolerável, manter entregue a semelhante vereador, que já demonstrou à saciedade a sua impreparação e capacidade para acompanhar o tempo atual e as necessidades atuais, os mais variados pelouros?
Mercado aberto e terminado, depois de dezenas de alterações? Que mal fizemos nós...
Terá o PS medo de assumir as suas responsabilidades, como sempre historicamente soube fazer? Quero acreditar que não!
Recordo que aquando da renovação que tive oportunidade de liderar em 2004, ela seguiu-se a uma pequena época histórica em que o PS era "dominado" por um petit comité ex-comunista, sem visão, sem capacidade e que, viria a história a demonstrar, estar atrás do seu tempo.
Monumento ao disparate no mercado semanal, sem resolução há anos...
Assim em 2016, a sobrevivência futura do PS, a hipótese última de Tomar ter sucesso, passa claramente por terminar definitivamente este acordo político que não só nada de novo traz a Tomar, como é fator permanente de retrocesso. O futuro não se constrói com arqueísmos!
O seu adiamento, será mortal para todos. Sim, porque Tomar é de TODOS e não, como alguns pensam, só de alguns...
Assinatura do acordo em Outubro de 2013, pelos coordenador local da CDU e presidente da concelhia do PS...

Sem comentários: