Tivemos cerca de 87mil visitas desde janeiro/2016 - 7700/mês e mais de 214 mil desde julho/2007

1.9.12

Cheira a mofo essa coisa do Congresso de Tomar

Em Maio de 1973, realizou-se em Tomar o único Congresso do ultimo partido único do regime fascista, instalado em Portugal pela revolução (quartelada) do 28 de Maio de 1926, que só terminaria com a outra quartelada de 25 de Abril de 1974, finalizando a mais longa ditadura mantida em toda a Europa durante o séc.XX.

Passados mais de 39 anos, parecemos retornar para o caldo de cultura favorável à "imposição" de abordagens requentadas, de estereótipos e arquétipos que julgávamos esquecidos no baú da História. Tomar foi, infelizmente para todos nós, muitas vezes no passado usado para a promoção e assunpção das mais vis traições, fundações ou loas aos desmandos do ultraje Filipino do séc.XVI, da usura Cabralista do séc.XIX ou do estertor do fascismo do séc.XX, com o já citado Congresso da Ação nacional popular, que era o nome do extinto partido único, que vigorou entre 1970 e 1974 em Portugal.

Que uns quantos homens bem intencionados queiram honestamente discutir o curso dos nossos destinos coletivos e queiram propor outras medidas, para a mudança necessária, que já deveria ter ocorrido na nossa autarquia há anos, nada temos a opor. No respeito pela democracia, no cumprimento da Lei, no sitio e nos momentos próprios e no respeito pelos resultados dos pleitos eleitorais. Agora que com alguns coxos políticos, José Gomes Ferreiras e outros neo-fascistas de serviço se preparam para criar mais uma farsa, na boa tradição teatral Tomarense, disso já tenho poucas dúvidas.
 
Só que há uma pequena linha que separa o oportunismo populista mais básico e fasciszante da realidade e do desejo geral da comunidade Tomarense: as eleições, em que cada homem tem um voto, independentemente do tamanho da sua carteira. E para dar cabo disso só mais uma quartelada. Parece no entanto que nem só não há tropa disponível para o fazer, nem jagunços para contratar, tirando as marionetas do costume. Há ainda um outro pormenor não displicêndo: o PS é a barreira natural, hoje como sempre, a esses desejos e devaneios fascistas em Tomar. E nessa linha, nós sabemos bem qual o nosso lado da barricada. No passaran!

2 comentários:

Virgílio Lopes disse...

Salazar acusava de comunistas todos os que se lhe opunham e que não pensavam como ele.

Você acusa de neo-fascistas todos o que não pensam conforme a sua cartilha.

QUAL A DIFERENÇA ?

Além do mais, de acordo com o que li, a entrada e participação é livre.

Sem bufos ou PIDES à porta, para o denunciar ou prender.

Luis Ferreira disse...

E o amigo Virgílio acredita no Pai Natal e em que as criancinhas vêm na cegonha de Paris, decerto...