Tivemos cerca de 87mil visitas desde janeiro/2016 - 7700/mês e mais de 214 mil desde julho/2007

25.10.16

Vítimas do Tornado ressarcidas quase seis anos depois

Nota do dia, a transmitir nesta quarta-feira, dia 26 de outubro, depois dos noticiários das 13H00 e das 19H00, na Rádio Hertz (FM92 e 98)

Todos nos lembramos de a 7 de dezembro de 2010, os concelhos de Tomar, Ferreira do Zêzere e Sertã, terem sido percorridos por um Tornado, o qual atingiu a classificação internacional de F3, o que significa depois das perícias técnicas realizadas, ventos estimados que terão rondado os 240 Km/h. A faixa de território atravessado por este Tornado no nosso concelho, de sudoeste a nordeste, começou junto a Paialvo, onde uma pinheira com algumas dezenas de anos foi arrancada pela raiz e só terminou, junto aos Ganados, com o completo destelhamento de várias infraestruturas do conhecido Campo Jovem.

Tive o ensejo de enquanto responsável da proteção civil municipal, durante essas difíceis semanas, procurar estabelecer todas as pontes possíveis para o imediato socorro das centenas de pessoas afetadas. Os trabalhos de emergência, que envolveram meios significativos, advindos de todo o distrito de Santarém, foram acompanhados por inúmeros voluntários enquadrados pelos serviços municipais de proteção civil, pelos serviços do município e das juntas de freguesia da Madalena, São João, Santa Maria e Casais, tendo o então segundo governo de José Sócrates, ativado o Fundo de Emergência Municipal, o qual cobriu todos os prejuízos públicos levantados e reportados pelo Município, incluindo o Jardim Escola João de Deus.
Parte da equipa que coordenou a Proteção Civil Municipal na emergência do tornado de 2010 - foto oficial de Leonel Graça


Este Tornado foi o acontecimento de maior significado e extensão financeira de danos até hoje registado no Concelho de Tomar e, além dos prejuízos estimados em infraestruturas públicas, há que somar as infraestruturas privadas, no que terá ascendido a mais de 2 milhões€ de prejuízos.

Além do fundo de emergência municipal já referido, as Seguradoras acamparam literalmente em Tomar, com todo um conjunto de peritos, de forma a mais rapidamente levantarem os danos sofridos, em sinistros maioritariamente relacionados com danos próprios em viaturas e multiriscos-habitação. Ao fim de poucos dias já estavam mais de 300 processos de indemnização em curso, e em poucas semanas a esmagadora maioria dos mesmos totalmente pagos, o que permitiu a uma parte substancial das pessoas verem rapidamente recuperados os seus bens.

Houve, no entanto, uma parte dos afetados que não estavam cobertos por seguros, aos quais o governo de então, através do IAPMEI e do Governo Civil de Santarém, abriu candidaturas a financiamentos para recuperação do tecido económico, para as empresas afetadas e para também para particulares.

Com a extinção dos governos civis decretado pelo governo de Passos Coelho, os processos de indemnização aos particulares foram arquivados e transferidos dos Governos Civis para a Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna, aí jazendo os anos da governação de Passos Coelho, até ao final de 2015.

Com a entrada em funções do novo Governo e a instâncias do Deputado Hugo Costa, entre outros, foi possível reatar o processo e nas últimas duas semanas foram já colocados a pagamento cerca de 200 mil euros de indemnizações a particulares, só do concelho de Tomar.

Pode hoje com propriedade dizer-se, que o processo do Tornado de 2010 em Tomar está finalmente concluído e que é bom saber-se que Tomar é de TODOS, e muito especialmente daqueles que têm palavra, honra, probidade e boa fé!



Sem comentários: