Tivemos cerca de 87mil visitas desde janeiro/2016 - 7700/mês e mais de 214 mil desde julho/2007

13.4.11

Fusão dos Politécnicos?

A especulação sobre fusão entre os Politécnicos do Distrito, só tem relevância, na medida em que num momento de contenção orçamental e alteração do paradigma da formação no pós-bolonha, parece ser natural "fundir", sem cuidar de pensar um pouco melhor.


O Ensino Politécnico, hoje já providencia uma oferta formativa diferenciada, que vai de cursos de especialização tecnológica, 1º e 2º ciclos de formação superior a parcerias várias em redes nacionais e internacionais de formação superior, até à obtenção do grau de Doutor.

Tomar foi desde sempre sede de "Escolas", literais e imaginadas, reais e apologéticas, que fundaram no nosso território uma indelével marca diferenciadora. A efectivação de primeiro uma, hoje duas escolas de formação superior, significaram assim um natural corolário desse "percurso", iniciado na noite dos tempos, onde Tomar sempre esteve presente.

As decisões administrativas que tenham a ver com sedes, junções, fusões, articulações e outras formas de organização interna, dependem essencialmente das comunidades locais e académicas, tendo em conta as exigências endógenas do mundo académico e exógenas das comunidades. Se houver formandos, as Escolas subsistirão. Se não os houver, elas fecharão. Se souberem adaptar-se aos desafios actuais, poderão ser uma "luz" e assim assumirão o seu papel, se não o souberem, naturalmente perecerão.

À comunidade local, onde me insiro, compete desejar a manutenção de ensino superior em Tomar, facilitando a sua existência, protocolando a integração do seu conhecimento, como vimos incentivando nos últimos anos, apesar de durante anos parecer que a autarquia e o politécnico não estavam na mesma terra. O Ensino superior cria emprego, cria riqueza, no conhecimento e na economia. À comunidade académica, competirá saber se o actual modelo é que melhor protege o seu futuro, ou se terá de ser outro. Tudo o mais é apenas especulação e demagogia pura, que não resolve nenhum dos nossos problemas, que são o Emprego e o Desenvolvimento Económico. E para isso, também o Instituto Politécnico de Tomar é parte da solução.

Sem comentários: