Tivemos 97.798 mil leitores em 2016 - 8150/mês, 80.511 até ao 3.Trimestre de 2017 - 8.950/mês e mais de 310 mil desde julho/2010 (3.600 por mês, durante mais de sete anos)

8.1.17

Soares é fixe


Evocar a memória de uma figura histórica como Mário Soares é impossível. Especialmente quando nos referimos a alguém a quem ninguém podia ser indiferente.


O bochechas, como foi durante décadas carinhosamente apelidado por inúmeros portugueses, tinha esse condão: o de encher qualquer sala, qualquer lugar, qualquer lar onde entrasse. A sua presença impunha-se, a sua voz cortava com assertividade o ar e o seu pensamento entrava em todos e fazia-nos despertar. Por isso tantos ainda lhe têm um ódio ímpar, como se ele fosse o responsável por uma guerra malfeita e mal resolvida de mais de uma década, num contexto de apogeu da luta pela hegemonia mundial entre os Estados Unidos da América e a então União Soviética.

Mas, como todos vêm frisando por estes dias, o seu maior legado, é a liberdade. A liberdade coletiva e a liberdade individual. Soares era aliás conhecido por ser daqueles políticos, hoje cada vez mais raros, que se borrifava olimpicamente no que diziam ou pensavam dele. Ele sabia bem o que queria, em cada momento e, nunca perdia de vista os eu objetivo, incentivando até a discussão e o pensamento divergente. Era, na sua essência um humanista, mas sempre um Homem livre, que defendia o valor supremo da liberdade.

Conheci Mário Soares na primeira semana da campanha eleitoral para as legislativas de 25 de abril de 1983, tinha então 16 anos. Escassas duas semanas depois entrei para militante do PS e da JS, até hoje. Foi no cruzamento da Estação de Fátima, para a Sabacheira, onde no carro do Mário "francês” o aguardámos, para o acompanhar até à porta da velha sede do PS, hoje desaparecida, na Rua Voluntários da República. Ele vinha no autocarro da campanha e desceu dele para cumprimentar a escassa dezena de pessoas que ali o aguardavam para escoltar até Tomar. Pareceu-me um homem enorme. Era um Homem enorme. Nesse tempo como hoje, Mário Soares impressionou-me e impôs-se na minha vida, até hoje, como referência de luta e de liberdade.

Mais tarde, viria a estar envolvido no MASP jovem em Tomar e no distrito – em 1986 e 1991, mas nunca o apoiei internamente nas suas lutas dentro do PS. Soares era a referência, mas o caminho era diverso.



Estive de novo com ele numa ocasião em abril de 1993, na qualidade de secretário nacional da JS, responsável pelas relações internacionais, na companhia do então Secretário-geral da JS, António José Seguro e o secretário-geral da IUSY (International Union of Socialista Youth), Ricard Torrell, um socialista catalão. Deslocamo-nos ao Palácio de Belém, para o convidar formalmente para presidir a uma conferência no Acampamento Internacional da IUSY, que viríamos a realizar em julho desse ano no Palácio de Cristal na cidade do Porto, sob o lema “O poder da solidariedade”.

Recebeu-nos com a jovialidade dos seus já quase 70 anos e entre a sua forte amizade que então nutria pelo Tózé Seguro, a formalidade do relacionamento com o catalão, lá tive a oportunidade de lhe dizer que era ribatejano de Tomar, me retorquiu com olhar franco e aberto com um “conheço bem”, falando-me do Zé Maria (Mendes Godinho) – que viria nas últimas autárquicas a ser o mandatário da candidatura vitoriosa do PS à autarquia nabantina. A conversa, ultrapassada a questão que aí nos levara, foi por ele conduzida para as principais preocupações dos jovens de então: o pleno acesso destes ao ensino, sem constrangimentos (estávamos então em plena guerra das propinas) e a avaliação do mundo do fim da guerra fria (a queda do muro de Berlim dera-se há escassos 3 anos). Foi uma meia hora bem vivida e, para mim, sempre aprendiz da vida e das vidas, memorável. Reencontrar o Homem grande que conhecera uma década antes, fez-me reencontrar a essência do que era ser cidadão e socialista: saber para onde ir e defender sempre, mas sempre, a liberdade.

Anos mais tarde, dei a cara e apoiei Manuel Alegre na sua disputa a Secretário-geral do PS, em 2004, contra José Sócrates e o filho João Soares, mas nas presidenciais de 2006, não consegui deixar de por ele dar a cara e nele votar (em detrimento de Alegre): o tributo ao Homem, o curvar-me perante os valores que sempre representou foram maiores, que qualquer alinhamento ideológico interno dentro do PS. Fiquei feliz por usar do livre arbítrio que com ele, desde miúdo aprendi a exercer.



Uma década volvida e no seu desaparecimento físico, desloquei-me hoje à sede nacional do partido onde ainda sou militante dirigente concelhio e distrital, mais de 33 anos depois desse encontro na Estação de Fátima em 1983, para no Livro de Condolência, lavrar o meu registo de obrigado.

Os valores que ele para mim representa continuarão vivos para sempre.
Disseste vezes sem conta, aquele que para mim é um marco de identidade diário: só é derrotado quem desiste de lutar.

Obrigado Soares: sempre foste fixe!


Sem comentários: