Tivemos cerca de 85mil visitas desde janeiro/2016 - 7600/mês e mais de 212 mil desde julho/2007

15.4.14

Seis meses a tentar parar o navio de Tomar contra o Iceberg

Nem a propósito faz hoje 102 anos que naufragou o transatlântico Titanic, após o embate com um enorme iceberg no atlântico norte ao largo dos bancos da Terra Nova (Canadá).

A efeméride, uma das muitas deste dia 15 de Abril, vale por si e nada mais haveria a relatar se, acaso, não fizesse no próximo dia 17 de Abril, seis meses que a atual gerência do Município tivesse tomado posse em Tomar.

Nenhuma relação há entre os dois acontecimentos?
Pois não haverá.

O que é certo é que, nos seis meses que entretanto se findarão, a situação do Município se assemelha precipitadamente à do grande navio que há mais de um século cruzava os mares às cegas e a uma velocidade estonteante, na sua viagem inaugural.

O Município de Tomar, tal a margem de erro das suas contas, tal o volume de faturas em conferência, tal as "matreirices" de quase duas décadas de "contabilidade criativa", vai saindo do nevoeiro a verdadeira situação em que vivemos: atulados em dívidas, em incumprimentos de regras básicas e simples da contabilidade pública, violando. ano após ano, os mais elementares princípios.

E do nevoeiro emerge... o Iceberg. Cada vez mais nítido, cada vez mais brilhante.
A dúvida subsiste: conseguirá esta gestão municipal livrar-nos do embate?
Há seis meses que o vimos tentando, mas a garantia de que se consegue parar a tempo não existe ainda.

Só para se ver a dificuldade: só há quinze dias atrás, se conseguiu colocar em vigor a nova estrutura do Município, otimizando e organizando os setores, cortando as "gorduras" administrativas. Tudo tirado a ferros! Quase seis meses para a concretizar, quase contra tudo e contra todos. Aquilo que em circunstâncias normais teria levado um a dois meses, em Tomar demora o dobro ou o triplo.

Será que chegaremos a tempo?
Os próximos três meses serão cruciais. Veremos quem sobreviverá, antes e depois do, eventual, embate.

Parabéns Anabela. Tens justificado, plenamente, o orgulho de quem em ti votou. Não claudiques!

Sem comentários: