O blogue já teve 73.484 até setembro deste ano +++ 106.801 visitas em 2017 e mais de 409 mil desde julho/2010

25.2.18

Incompatibilidades e bons exemplos - na atuação da atual vereação


* Artigo de opinião de Luis Ferreira, ex-vereador da Proteção Civil, do Turismo e da Cultura



A vida comunitária em Tomar continua fértil em acontecimentos de relevo, no ritmo em que nos habituámos há décadas a viver. Analisamos bem, refletimos melhor, teorizamos de forma consistente e, mais tarde ou mais cedo, acabamos por atuar. Muitas das vezes tarde demais, quando já pouco relevo tem a atuação. Mas, dado o fato em apreço, não é demais sinalizar que, após oito anos, finalmente alguns dos Eucaliptos do Mercado Municipal foram abatidos.

Aquando das responsabilidades que tive na proteção civil, nos idos de 2010-11, propus ao então Presidente da Câmara o seu completo abate e a regularização da margem, a exemplo do que se fizera junto ao Parque de Estacionamento de Santa Iria, entre as duas pontes. Na altura, já todos os Eucaliptos daquela margem constituíam um perigo, além de não permitirem a adequada fruição do espaço, nomeadamente colocando bases para a Pesca Desportiva, tirando assim partido daquele espelho de água único, numa cidade como a nossa. Defendi isso perante o Presidente e, aquando do abate de um dos Eucaliptos, expliquei esse “projeto” em plena reunião de Câmara. Agora que foram abatidos mais dois Eucaliptos, é finalmente a oportunidade para terminar o arranjo daquele espaço e dar-lhe a valia desportiva, que há muito devia ter. Um bom exemplo do que está a ser feito.

Mas, esse não é o único bom exemplo que vem da área da proteção civil. Também neste setor, foi aprovado pela Câmara a criação de uma Equipa de Sapadores Florestais, aproveitando a abertura que na nova lei, veio facilitar os Municípios deterem Equipas de Sapadores. Não por acaso, no contexto do Orçamento de 2014, haviam sido criados lugares no mapa de pessoal do Município, cujo conteúdo funcional apontava para trabalho “sapador”, após a clara identificação dessa necessidade, no já referido período de 2010-11. Esta componente - de trabalho sapador, complementar com o trabalho dos bombeiros, é essencial para uma estratégia de ordenamento e manutenção das faixas de gestão de combustível que, num Concelho com 50% da sua área ocupada pela Floresta, mais do que fazer sentido, é uma obrigação pública de assegurar.

Ainda bem que alguma prossecução estratégica se vai fazendo, pois como sempre defendi, o que está bem feito deve ser continuado e o que mal está, deve ser corrigido. Assim se deve gerir, assim de deve governar, a todos os níveis.

Mas, não há bela sem senão.

Já no mandato passado tivemos um Presidente de uma Associação do Concelho que, após a sua eleição para vereador e, tendo-lhe sido atribuídos pelouros, não abandonou de imediato essa Presidência, num absoluto desrespeito pelos mais elementares limites éticos, entre o exercício de funções públicas e privadas. Apesar da insistência óbvia, para que tal vereador abandonasse a Presidência da dita Associação, só mais de um ano depois o faria.

Foto: Rádio Hertz

Ora, neste mandato, o caso repete-se, como se o atual PS, não fosse capaz de entender que na gestão pública deve haver a maior transparência, evitando quaisquer dúvidas sobre a idoneidade de atuação da sua vereadora da Cultura, a qual preside a uma Associação de atividade exclusiva cultural. Por mais que olhemos para o assunto, ele não tem volta a dar: deve de imediato abandonar a Presidência da Associação e dedicar-se, em exclusivo, ao interesse público, que é para isso que todos lhe pagamos e para a qual o povo a elegeu. De contrário, acabará prejudicando a Associação e dando uma péssima imagem da política, a qual como sabemos já não é a melhor.

Como declaração de interesses, informo ser sócio das duas referidas Associações e que nelas fui músico amador durante muitos anos, pelo que lamentarei se a situação persistir.