Tivemos cerca de 87mil visitas desde janeiro/2016 - 7700/mês e mais de 214 mil desde julho/2007

23.3.10

Comando dos Bombeiros reduzido

A partir de 1 de Abril o comando dos Bombeiros Municipias de Tomar, passará a ser constituído por um comandante, um segundo comandante e dois adjuntos. Com a saída de Mario Nunes, que a seu pedido passa ao Quadro de Honra, fica assim constituído o comando:
Comandante - Manuel Mendes;
2 comandante - Vitor Tarana;
Adjunto - José Jorge;
Adjunto - Rui Patricio.

O papel que o sr. adjunto do comando Mario Silva desempenhou, durante cerca de 8 anos, dignificou os Bombeiros e pelo que sei, ajudou a melhorar a capacidade operacional destes.
Foi sempre uma pessoa reconhecida pelos seus pares, respeitada, respeitadora e urbana e, fora a incompatibilidade de opinião sobre o papel dos elementos de comando na sua exposição pública, uma pessoa de trato fácil e de visão.
Sem duvida alguém que, para mim enquanto cidadão e responsável dos bombeiros, representa uma referencia de serviço. Terminada a sua missão, resta-me em nome dos Bombeiros e de Tomar agradecer-lhe. O tempo ajudar-nos-á a entender melhor o que por ora não parece ser possível alcançar.

Os Bombeiros em Tomar estão, naturalmente num período de adaptação e reestruturação, absolutamente necessários para adaptação aos novos paradigmas das relações de trabalho, de horários e de missão, que os últimos anos introduziram no sistema de protecção civil e que tardavam a ser introduzidos em Tomar.

Naturalmente que a nova forma, necessariamente hierárquica, formal e organizada, como se pretende que uma estrutura mista (profissional e não profissional) funcione, introduz adaptações nem sempre simples, fáceis ou mesmo entendíveis.

A obrigação dos responsáveis em cada momento é o de poderem avaliar, interpretar e decidir qual a missão, quais as formas e quais os recursos a alocar, para o cumprimentos dos objectivos traçados.

Nos Bombeiros em Tomar é simples: melhorar a qualidade do serviço prestado à população, reduzindo os previlégios injustificáveis, aumentando a capaciadde operacional, se possível, com os mesmos recursos financeiros.

E no final do mandato se fará, naturalmente, o balanço.

Sem comentários: