O blogue teve 106.801 visitas em 2017 e mais de 391 mil desde julho/2010 +++ 53.567 visitas em 2018 (ate julho)

20.4.18

O Rio está poluído, mas afinal não é ninguém...

Vão gozar com outro, diria o povo e é verdade.

É ler o texto e pasmar...

(Notícia original)

TOMAR – Última hora. APA responde a esclarecimento da Hertz sobre poluição no Nabão: ETARs estão ilibadas e confirma-se “forte presença de fezes”


Quem o garante é a Agência Portuguesa do Ambiente, em resposta exclusiva a um pedido de esclarecimentos remetido pela Hertz: as Estações de Tratamento de Águas Residuais de Formigais e de Seiça estão ilibadas da poluição que tem afectado o Nabão desde os últimos meses, sendo que está confirmada a “forte presença de fezes” na água do rio. Eis o teor da resposta da APA:
“Na sequência dos diferentes episódios de poluição registados no rio Nabão a APA-Agência Portuguesa do Ambiente, em conjunto com o SEPNA-Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR realizou diversas fiscalizações ao longo da bacia hidrográfica do rio. 
Foram verificadas as duas ETAR situadas no concelho de Ourém, bem como foram verificadas as margens do rio para detetar eventual origem do problema. Das duas ETAR verificadas foi possível constar pela APA o seu correto funcionamento, quer pelo auto controlo, quer pelas analises ao efluente final, efetuadas. 
A APA efectuou também a colheita de amostras de água do rio Nabão em Tomar, verificando-se que a contaminação apresenta fortes indícios de contaminação fecal. Foi promovida uma reunião no Ministério do Ambiente, a pedido do Município de Tomar, tendo-se acordado na mesma da necessidade de despoletar uma reunião conjunta entre os municípios de Ourem e Tomar e esta Agência, encontro que ocorreu no passado dia 12 de março. 
Ficou acordado entre os municípios referidos e a APA que uma equipa conjunta dos dois municípios iria fazer um levantamento exaustivo de eventuais ligações incorrectas de efluentes domésticos nos colectores pluviais, inventariar igualmente zonas onde as redes não são separativas, e em que com forte pluviosidade conduza a descargas para a linha de água de caudais contaminados. 
Foi, igualmente, combinada a necessidade de avaliar o funcionamento das estações elevatórias, designadamente quando o caudal que rececionam não seja compatível com os meios de elevação instalados, provocando o funcionamento do by-pass. 
Da análise já feita por um dos municípios às redes de saneamento já foram detetadas algumas ligações incorretas, situação que irão ser corrigidas. Continuam previstas mais fiscalizações ao longo do rio para detetar alguma descarga industrial ou agro pecuária”.