Tivemos 97.798 leitores em 2016 e 99.854 em 11 meses de 2017 e mais de 327 mil desde julho/2010 (3,6mil por mês, durante mais de sete anos)

20.3.09

Precisamos em Tomar, de mudar!

Vimos dando nos primeiros meses deste ano, especial atenção às situações decorrentes da crise financeira internacional, que rapidamente alastrou por todo o mundo e começa agora a fazer-se sentir, de forma cada vez mais notória, também, no nosso Concelho.

Tendo uma origem bem identificada na total e absoluta irresponsabilidade da alta finança internacional, o colapso deste NEO-LIBERALISMO económico e político, tem levado à redução abrupta do consumo mundial.

Com a redução do consumo, cada vez mais empresas têm dificuldade em vender os seus produtos, e com o sucessivo aperto por parte das instituições financeiras, que renegoceiam os spreds comerciais, neste momento, já na ordem dos 15 a 20% ao ano, mais empresas têm dificuldade em se financiar para cumprir o pagamento dos salários aos trabalhadores e as contribuições ao Estado.

Apesar de estarmos, em Portugal, muito longe da situação que tínhamos há 24 anos, quando mais de meio milhão de Portugueses tinha mais de 6 meses de salários em atraso, a situação começa a ser preocupante.

Também no nosso Concelho situações em médios e grandes grupos como o Freitas Lopes, a Platex ou o João Salvador, que envolvem já perto de 700 trabalhadores, não podem deixar de nos preocupar. Especial atenção merece quando um destes grupos aponta, além da crise financeira internacional, o facto de o Município não honrar os compromissos financeiros que para com ele tem.

Especialmente agora que o tribunal de contas recusou aceitar o empréstimo para a Câmara pagar a decisão judicial de indemnizar a ParqT, em mais de 750.000€, não vai conseguir a Câmara pagar o que deve ao João Salvador ou a outra qualquer empresa.
A falência técnica da Câmara PSD é cada vez mais uma realidade, como sempre o PS disse.
O problema da crise em Tomar, não é assim de hoje, como muito bem sabemos.


A nível nacional e perante o avolumar de problemas financeiros, económicos e agora também sociais, tem o Governo dado resposta pronta, seja estendendo o subsídio social para desempregados por mais seis meses, que a título excepcional entra em funcionamento no próximo dia 1 de Abril, seja reduzindo o pagamento especial por conta e baixando o IRC às Empresas, por exemplo.

Também em inúmeros Municípios maiorias e oposições políticas confluíram para minorar os impactos sociais junto dos seus cidadãos. Em Tomar o assunto assumia especial ênfase em virtude de sucessivos anos de verdadeira RAPINA financeira feita pela Câmara aos seus cidadãos. Fosse nas taxas para a construção ou outras taxas aplicadas por exemplo para a instalação de empresas, na área do comércio, da indústria ou dos serviços. Só para se ter uma ideia um T3 em Tomar tem incorpurado em taxas para o Município, directas e indirectas, mais de 10.000 €, enquanto que em Abrantes ou Torres Novas, o valor não atinge 4.000€.

Nesse sentido, foi feito um esforço por toda a oposição para apresentar propostas que melhorassem a situação das pessoas e das empresas de Tomar. Na essência, o PSD recusou TODAS as que foram presentes pelo PS.

Recordo neste momento duas apresentadas pelo PS, e recusadas, que fazem todo o sentido.
A primeira que era a ISENÇÃO nos Transportes Urbanos de Tomar para todas as crianças até aos 10 anos e a redução de 75% nos bilhetes para os jovens até aos 18 anos e dos idosos com mais de 65, garantindo ainda a extensão da rede para a periferia da Cidade, que mais tarde os seus residentes vieram a exigir.
E, a segunda, a isenção total de taxas para investimentos do comércio local, das pequenas industrias e investimentos no turismo e a devolução de UMA HORA no Estacionamento a quem adquirisse produtos no Comércio local.

Estes exemplos, seguem na boa linha do que o Governo agora deliberou, criando uma moratória no pagamento das prestações à habitação.

Na habitação, as famílias serão auxiliadas com empréstimos para habitação própria e que tenham um dos membros do casal em situação de desemprego há mais de três meses.
Será criada, com as instituições financeiras, uma moratória nas prestações de crédito à habitação. Esta moratória poderá prolongar-se por dois anos e pode ser requerida até ao fim de 2009. Durante este período, as famílias com desempregados beneficiam de uma redução de 50% na prestação da casa. O Estado, através de uma linha de crédito específica, financiará o custo decorrente desta alteração, a uma taxa abaixo da própria Euribor em 0,5%.

Se o Governo PS defende as famílias, porque não o faz, também a Câmara PSD?

Ainda no que diz respeito ao investimento que vimos fazendo nas famílias e em Tomar, convém lembrar o Programa de Alargamento da Rede de Educação Pré-Escolar, estabelecido com municípios e instituições de solidariedade, de forma a poder garantir a TODAS as crianças com 5 anos o acesso ao PRÉ-ESCOLAR.

Com um investimento de 36 milhões de euros, 50% suportado pelos Ministérios do Trabalho e da Segurança Social e da Educação, o programa tem por base a concertação estratégica entre o governo, as autarquias e as instituições privadas de solidariedade social. 300.000€ já foram investidos em Tomar, na nova creche da Gualdim-pais, que será inaugurada no Sábado dia 28, às 15Horas pelo Ministro do Trabalho Vieira da Silva.
Com esta medida pretende-se generalizar o acesso ao ensino pré-escolar para combater as desigualdades.

Promover a justiça social é, sempre foi, o apanágio da governação socialista.
Por isso, precisamos em Tomar de mudar.
Mas já agora, só vale a pena mudar, se for mesmo para melhor.
O PS em Tomar vem demonstrando, de facto, ser a melhor solução para o nosso futuro.
Pode acreditar!


[Nota do dia, lida aos microfones da Rádio Hertz - FM98, hoje após o noticiário das 13H00, repetido no Domingo, também após o noticiário das 13H00]

Sem comentários: