Tivemos 97.798 mil visitas em 2016 - 8150/mês, 26.653 no primeiro trimestre de 2017 e mais de 256 mil desde julho/2010

29.1.07

O INVESTIMENTO NO HOSPITAL DE TOMAR

Muito se tem escrito e dito sobre o Hospital de Nª Sra. da Graça(HNSG) ao longo dos últimos anos, com diferentes abordagens e preocupações, tendo sido disso exemplo o último debate público promovido pela Assembleia Municipal de Tomar, no dia 26 de Janeiro.

Tenho para mim, que é necessário reforçar o investimento que temos todos de fazer na Unidade Hospitalar de Tomar (HNSG), integrada no Centro Hospitalar do Médio Tejo: população, responsáveis políticos e administrativos, autarcas e tutela ministerial.

Um bom exemplo é dado, precisamente esta semana, pela Federação de Bombeiros do Distrito de Santarém, ao iniciar a 1 de Fevereiro um Protocolo de colaboração com o Centro Hospitalar, garantindo o transporte de Doentes entre as Unidades do Centro Hospitalar (Tomar, Torres Novas e Abrantes), bem como a sua deslocação de e para sua casa.

Finalmente uma boa notícia, dada pela Federação de Bombeiros e envolvendo todas as corporações da nossa região, com a excepção de Fátima por manifesta falta de meios para prestar este serviço.

Este Protocolo irá garantir às populações a resolução de um problema existente desde a criação do Hospital do Ribatejo Norte, hoje Centro Hospitalar do Médio Tejo, e proficuamente abordada no decurso do Debate realizado na passada Sexta-feira, que era o facto de parecer que quando se entrava nas Urgências em Tomar, não se tinha entrado num único Hospital, sendo muitas vezes a responsabilidade da deslocação para as outras Unidades do Centro Hospitalar das famílias dos doentes.

Tal situação a partir de 1 de Fevereiro está definitivamente ultrapassada, constituindo uma efectiva melhoria nos cuidados de saúde prestados pelo SNS da nossa Região.

Mas resolvido este problema, outros urge resolver, como seja por exemplo a necessidade de ficar clarificado quais as Valências em funcionamento em cada uma das Unidades do Centro Hospitalar do Médio Tejo, que deveria ter por base o Plano Funcional aprovado em 1998.

No meu entender, deveriam ainda as Urgências de cada especialidade estar localizadas junto do Internamento respectivo, optimizando assim os meios humanos e materiais, ao dispor da Saúde na nossa Região.

Tal só se fará se o Ministério da Saúde, na decisão que tomará nos próximos 15 dias sobre a localização das novas tipologias de Urgências, levar em linha de conta as decisões unânimes tomadas, quer pelos Autarcas de Tomar, quer pelos autarcas de Torres Novas, considerando que ao Centro Hospitalar no seu todo, fica atribuída uma Urgência Médico-cirúrgica, em detrimento da proposta anedótica feita por um Grupo de Trabalho Técnico, que apontava para um tratamento diferenciado entre as três Unidades do Centro Hospitalar, valorizando claramente a de Abrantes, que por si só não tem qualquer capacidade técnica para albergar a totalidade das Urgências exigidas. Neste contexto, só a complementaridade faz sentido!

No meio do muito barulho que algum PSD e CDU vai fazendo sobre esta questão, ou não estivesse o PS no Governo, o que importa fazer notar agora, é o excelente exemplo que a Federação de Bombeiros está a dar, ao criar condições para resolver um problema que se arrastava há vários anos.

Esta é a prova de que com bom senso e trabalho em rede, é possível darmos conta daquilo que são os interesses das populações.
Tudo o resto é apenas folclore!