Tivemos cerca de 85mil visitas desde janeiro/2016 - 7600/mês e mais de 212 mil desde julho/2007

25.1.13

Bombeiros Municipais de Tomar fundados a 28 de Janeiro de 1923

Comemoram-se nesta segunda-feira, dia 28 de Janeiro, os 90 anos dos nossos Bombeiros Municipais.
 
Durante décadas, especialmente depois dos anos 50 do sec.XX, foi considerado que teria sido a 28 de Janeiro de 1922, que os Bombeiros de Tomar se teriam formado, mas um trabalho de levantamento factual, realizado por uma empresa de Tomar, a pedido da vereação socialista dos Bombeiros em 2011, de que foi dado conhecimento ao então Presidente da Câmara, demonstrou que havia sido a 28 de Janeiro de 1923, que em cerimónia pública foi "apresentado" à população o corpo de bombeiros de Tomar, sendo a data possivel de se considerar como fundadora dos nossos Bombeiros.
 
Outra data importante que se pode ainda considerar, é a de 1 de Setembro de 1922, que constituiu o início da recruta tendente a instalar em Tomar os Bombeiros Municipais.
 

Transcrição da acta da sessão extraordinária da Comissão Executiva da Câmara Municipal do concelho de Tomar, realizada em 28 de Janeiro de 1923

Edifício dos Paços do Concelho 14h00

Presentes
Presidente João Torres Pinheiro

Vereadores
António D’Almeida e Silva, Manuel Vieira, António Duarte Faustino, Dr. Pedro Augusto de Gouveia e José Gonçalves Ribeiro

Aberta a sessão o Senhor Presidente disse tê-la convocado para registar solenemente a apresentação da Corporação de Bombeiros Municipais que se encontravam presentes e que a Comissão Executiva da Câmara Municipal os recebia com a máxima satisfação e contentamento. Que estava assim satisfeita uma das aspirações de Tomar, devido à iniciativa da vereação transacta e principalmente aos esforços (…) 1 e persistentes do Vereador Senhor Gonçalves Pinheiro que por este facto é digno dos maiores louvores. Que os bombeiros têm uma grande missão a cumprir, ficam-lhes confiadas a defesa e salvação dos nossos haveres e das nossas vidas, (…)1 terríveis dos incêndios, é uma missão altruísta e humanitária. A Corporação de Bombeiros é composta de rapazes e de homens novos, todos cheios de vida e de boa vontade; a Câmara está convencida de que hão-de desempenhar-se sempre (…)1 missão com brio, coragem e dedicação, confiando que assim acontecerá; levantou um viva à Corporação de Bombeiros Municipais de Tomar, que foi calorosamente correspondido pelos colegas e pela numerosa assistência que enchia a sala.

 Em seguida usou da palavra o vereador Senhor Gonçalves Ribeiro dizendo que como vereador do pelouro dos incêndios tinha a satisfação de apresentar o Corpo de Salvação Pública de Tomar. É um facto que reporta notável para a nossa terra por preencher uma falta que há muito se fazia sentir. O Corpo de Salvação Pública é composto de homens que saberão cumprir com o seu dever, nenhuma dúvida tem em o afirmar porque eles deram a maior prova de coragem e abnegação quando do pavoroso incêndio no dia dez de Setembro do ano findo, que enlutou a nossa terra, e aí portaram-se como heróis, (…)1 cada um o lugar mais difícil e mais perigoso. (…)1 falta de água, o elemento mais poderoso dos bombeiros e então, eles empregaram maiores esforços para localizar o incêndio, o que conseguiram a golpes de machado; este facto causou a admiração dentro dos bombeiros de Lisboa – que acidentalmente passavam por Tomar – e que admirando-se não acreditavam que os nossos bombeiros tivessem apenas dez dias de instrução. Dirigindo-se aos bombeiros disse-lhes: “Bombeiros municipais, desde hoje que pesa sobre os nossos bombeiros uma grande responsabilidade, mas temos a convicção de que sabereis cumprir com o vosso dever. No passeio que ides hoje dar pela cidade não é só para mostrar o brilho dos vossos lindos capacetes, mas também para afirmar do já existe na nossa terra, um corpo de bombeiros capaz de defender os haveres e as vidas dos seus habitantes".

Depois o vereador Senhor Doutor Gouveia usou da palavra dizendo que elogiava os rapazes que voluntariamente se prestavam a arriscar a vida para bem de todos e incitando-os a cumprirem sempre (…)1 o seu dever para honrarem Corporação a que pertencem.

Seguidamente pediu a palavra o Capitão Senhor Brak-Lamy como administrador do periódico “Ecos de Tomar” fazendo o elogio da vereação transacta pela criação do Corpo de Bombeiros e dizendo confiar na actual para serem levados a efeito os melhoramentos de que o concelho necessita.

Por fim usou da palavra o vereador Senhor Manuel Vieira dizendo que tendo acabado de chegar fatigado da longa viagem lhe faltava disposição para usar da palavra, apesar disso não queria deixar de aproveitar esta reunião para saudar com todo o entusiasmo e (…)1 da sua admiração a essa plêiade de briosos rapazes, que hoje pela primeira vez se apresentavam em público, constituindo essa Corporação de Bombeiros, correspondendo a uma fortíssima aspiração de Tomar e tornando-se também mais dignos de apreço e simpatia (…)1. Era na verdade arriscada e cheia de perigos a árdua tarefa a que se vinham consagrar, unicamente para serem úteis ao próximo, tendo de estar por assim dizer sempre aberta ao primeiro sinal de alarme, dispostos a tudo sacrificar encaminhar para a morte por entre as labaredas das chamas e de nuvens espessas de fumo, para salvar os bens e a vida dos seus semelhantes! E porque (…)1 rara abnegação e alto espírito de sacrifício lhes propunha o exemplo de São João de Deus e São Marçal (que as corporações congéneres têm por Padroeiro) os quais não temendo o incêndio porque os abrasava, o fogo ainda mais intenso (…)1; e lhes suscitava se inspirassem no sentimento religioso porque a religião era a melhor fonte de dedicação e heroísmo como tantas vezes se tinha evidenciado ainda há pouco na Grande Guerra. Por último, fazendo ardentes votos pelo progressismo da Corporação implorava as bênçãos de Deus para que havendo – se todos com denodo e heroísmo quando os seus serviços fossem reclamados (e permitisse Deus que nunca o fossem) pudessem bem merecer da sociedade, receber a mais consoladora de todas as recompensas nas lágrimas agradecidas dos salvos por sem esforço e experimentar a alegria indizível que nasce da consciência de sofrer para ser útil ao próximo.
 
Findo os discursos dos oradores indicados, o Senhor Presidente agradeceu a todos as referências feitas e encerrou a sessão levantando um novo viva à corporação de bombeiros, que igualmente foi entusiasticamente correspondido.

Sem comentários: